Z, de Líder

Z, de Líder

Por Gabriel Santana, do Centro de Memória

Quando falamos de liderança na Vila Belmiro, o primeiro nome que vem à mente é o de José Ely Miranda, o Zito! Técnico do time dentro de campo, ele também era o porta-voz dos jogadores junto à diretoria e, numa época sem empresários, chegava até a negociar a renovação de contrato de seus companheiros.

Nascido em Roseira, interior de São Paulo, em 8 de agosto de 1932, Zito foi contratado pelo Santos em 1952, aos 19 anos, após iniciar a carreira no Taubaté. Em 29 de junho do mesmo ano vestiu pela primeira vez o manto santista, em um amistoso na Vila Belmiro, contra o Madureira, que o Santos venceu por 3 a 1, com dois gols de Hugo e outro de Tite.

Zito era um jogador completo. Dotado de extrema capacidade técnica, concedia passes e lançamentos precisos para seus companheiros. Na função de volante, estava avançado no tempo. Além de ser um especialista em desarme e um marcador implacável, quando necessário se tornava um sexto atacante.

Tornou-se o grande líder das equipes do Peixe da década de 1960. Nas suas broncas, ele não aliviava nem mesmo para Pelé. Caso julgasse preciso, também chamava a atenção do eterno Rei do Futebol.

O Gerente

Em excursão realizada pelo time santista `Europa, em 1967, Zito realizou algo que só grandes líderes poderiam fazer. O Peixe estava perdendo por 4 a 1 para o SV 19860 München, no estádio Grunwald, em Munique, e ele, adoentado, acompanhava o jogo da arquibancada.

No intervalo do jogo, inconformado com o desempenho da equipe, foi ao vestiário e se apresentou ao técnico Antoninho, afirmando que queria entrar na partida. Com extrema autoridade, organizou e motivou a equipe apenas no grito. Sua voz firme ecoava em campo. O resultado dessa incrível liderança não poderia ter sido outro, a não ser a virada santista para a 5 a 4.

Referência na Seleção

Convocado para três Copas do Mundo, Zito teve fundamental importância nos dois primeiros títulos mundiais do Brasil. Realizou quatro jogos na Copa do Mundo da Suécia, em 1958, e seis jogos na Copa do Mundo do Chile, em 1962. Na grande final de 1962, contra a Seleção da Tchecoslováquia marcou, de cabeça, o seu único gol em Copas, e justo o gol da virada. Sentiu a possibilidade de ir à frente, pediu aos berros o passe de Amarildo e cumprimentou a bola quase rente a trave, praticamente decidindo a partida que terminou 3 a 1 para o Brasil.

Convocado também para o Mundial de 1966, não chegou a atuar em nenhuma partida. Além de machucado, já estava quase chegando aos 34 anos. De qualquer forma, deixou seu nome na Seleção Brasileira. Estreou com a amarelinha em 1955 e se manteve com ela por 11 anos. Ao todo, foram 50 jogos e 3 gols.

Amor à camisa

Permaneceu por 15 anos na Vila Belmiro, aposentando-se no em 1967. Conquistou 22 títulos oficiais, sem contar os inúmeros torneios amistosos. Vestiu a imaculada camisa branca por 733 vezes, tornando-se o terceiro jogador que mais atuou pelo Santos, atrás apenas de Pelé e Pepe. É o volante que mais marcou gols pelo Alvinegro, com 58 tentos assinalados.

Após pendurar as chuteiras, Zito continuou morando em Santos e atuou diversas vezes como dirigente do Alvinegro. Como diretor das divisões de base, foi um dos responsáveis pelo surgimento de Robinho e Neymar.

Poucos jogadores representam tanto para uma instituição como Zito para o Santos. Por isso, a faixa de capitão do time tem um Z, de liderança, de Zito!
O grande líder santista faleceu em um domingo à noite, 14 de junho de 2015, na cidade de Santos, a que adotou para morar e constituir família. Viveu 82 anos.