Santos FC faz história e recebe 1ª partida oficial com o uso do VAR no Brasil

Santos FC faz história e recebe 1ª partida oficial com o uso do VAR no Brasil
Estádio onde jogou o Rei Pelé, casa do melhor time das Américas no século XX e templo histórico do futebol, a Vila Belmiro será o palco, nesta quarta-feira (1/8) do primeiro jogo oficial com o uso do VAR (Vídeo Assistant Referee) no futebol brasileiro. A partida contra o Cruzeiro, válida pelas quartas de final da Copa do Brasil, terá como árbitro de vídeo Bráulio Machado, com o assistente Helton Nunes e o apoio de Marcelo de Lima Henrique.
Depois de ser aprovado como nova regra do futebol em março de 2018 e ser sucesso na Copa do Mundo da Rússia, o VAR será implantado no Brasil pela primeira vez, nas quartas de final da Copa do Brasil. Durante a partida entre Santos x América-MG, no último domingo, foram realizados o testes finais antes da implantação do árbitro de vídeo. Foram instaladas as câmeras que serão utilizadas, todos os monitores que receberão as imagens e, nesta quarta-feira, serão instaladas as 2 áreas de revisão, que ficarão no campo para auxiliar o árbitro. Serão, ao todo, entre 14 a 16 câmeras responsáveis por captar todos os lances da partida. Diferentemente do Mundial da Rússia, o centro de controle e operação do VAR estará montado dentro do estádio.
Em entrevista coletiva, nesta terça-feira, o supervisor do árbitro de vídeo, na partida entre Santos x Cruzeiro, Nilson Monção falou sobre a expectativa da implantação do VAR no futebol brasileiro. “São as melhores possíveis. Já tivemos um grande teste que foi a Copa do Mundo, onde grandes jogos foram decididos pelo árbitro de vídeo, não houve dano em nenhuma equipe e isso nos deixou muito contente. Além disso, pessoas da FIFA assistiram e aprovaram o nosso treinamento “, disse.
Após a coletiva, Nilson palestrou para os jogadores e comissão técnica do Santos FC sobre as recomendações e a utilização do árbitro de vídeo. O árbitro de vídeo poderá entrar em ação apenas em quatro oportunidades: situações de gol, lances de pênalti, cartões vermelhos e erro de identidade na aplicação do cartão ao jogador.
(Texto: Fabrício Seixas)