Santos e Olimpia. Agora é pra valer!

Santos e Olimpia. Agora é pra valer!

Odir Cunha, do Centro de Memória
Estatísticas por Gabriel Santana

Santos e Olimpia (assim mesmo, sem acento) já se enfrentaram duas vezes, mas em amistosos que terminaram empatados. Na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro, esses dois campeões mundiais e tricampeões da Libertadores se enfrentarão pela primeira vez por uma competição oficial.

Sim, o paraguaio Club Olimpia, centenário como o Santos, pois foi fundado em 25 de janeiro de 1902, também tem um título mundial, obtido em 1979, e também ostenta três conquistas da Copa Libertadores: em 1979, 1990 e 2002.

Em 1979 o Olimpia ganhou a Libertadores ao superar o Boca Juniors na final; em 1990 passou pelo Barcelona de Guaiaquil e em 2002 superou o São Caetano. Ao todo o Olimpia jogou sete finais da competição. Seu único título mundial veio com duas vitórias sobre o Malmoe, da Suécia: 1 a 0 na Suécia e 2 a 1 no Paraguai.

Porém, mesmo de países vizinhos e de currículos tão parecidos, Santos e Olimpia só se enfrentaram em dois amistosos, ambos terminados sem um vencedor.

Em 14 de maio de 1965, uma sexta-feira, o Santos foi o convidado para a inauguração oficial do estádio do Olimpia, em Assunção. Naquela noite, diante de um público de 30 mil pessoas, 10 mil a mais do que a capacidade do Estádio Manuel Ferreira, com renda recorde de cinco milhões de guaranis (ou 83 milhões de cruzeiros) e a presença de personalidades, como o presidente paraguaio Alfredo Stroessner, os dois times empataram por 2 a 2.

A presença do time bicampeão mundial de 1962/63, com seus astros internacionais, entre eles Pelé, atraiu enorme multidão para o novo estádio. Na tentativa de assistir ao espetáculo, um grupo rompeu as grades e o tumulto resultou em dezenas de feridos, três deles em estado grave.

O Santos, que fazia o sexto amistoso consecutivo depois de encerrar sua participação no Torneio Rio-São Paulo, havia duas semanas começava a utilizar Carlos Alberto Torres e Abel, contratados de Fluminense e América carioca.

O primeiro tempo terminou 1 a 0 para o Alvinegro Praiano, gol de Coutinho aos 29 minutos. Rojas empatou aos três minutos da segunda etapa, Pelé desempatou um minuto depois e o mesmo Rojas empatou novamente aos 35 minutos, cobrando pênalti cometido por Haroldo.

Escalado pelo técnico Lula, o Santos jogou com Cláudio, Carlos Alberto, Mauro e Geraldino; Haroldo e Lima; Peixinho, Mengálvio (Rossi), Coutinho (Toninho), Pelé e Pepe (Abel).

O Olimpia, campeão paraguaio daquele ano, atuou com Chamorro, Molinas, Gaona, Benítez e Rojas; Villalba e Lettieri; Del Puerto (Rodrigues), Apodaca (Rivarola), Torres e González. A arbitragem ficou a cargo do brasileiro José Batista dos Santos.

Os times voltaram a se enfrentar em 15 de maio de 1967, uma segunda-feira, em outro amistoso, dessa vez no estádio Defensores del Chaco. Na plateia, além do presidente paraguaio Alfredo Stroessner, estava também o presidente da Bolívia, René Barrientos.

Além de algumas boas jogadas de Pelé, o jogo foi morno e terminou sem gols. O técnico Antoninho escalou o Santos com Cláudio, Carlos Alberto (depois Lima), Orlando, Joel Camargo e Rildo (Geraldino); Clodoaldo (Edu) e Zito; Wilson, Toninho, Pelé e Abel.

O Olimpia jogou com Chamorro, Molinas, Gaona, Benítez e Rojas; Villalba e Lettieri; Del Puerto (Rodrigues), Apodaca (Rivarola), Torres e González. O paraguaio Ruben Cabrera arbitrou a partida, que teve um público pagante de 12 mil pessoas.

Invicto contra equipes paraguaias

O Santos já realizou dez partidas contra equipes paraguaias pela Copa Libertadores, e até agora se mantém invicto, com seis vitórias e quatro empates; 28 gols a favor e 12 contra.

Os dez jogos:

25/02/1962 – Santos 1 x 1 Cerro Porteño – Defensores del Chaco
28/02/1962 – Santos 9 x 1 Cerro Porteño – Vila Belmiro
20/02/2003 – Santos 3 x 1 12 de Octubre – Vila Belmiro
25/03/2003 – Santos 4 x 1 12 de Octubre – Antônio Sarubbi
18/02/2004 – Santos 2 x 2 Guaraní – Vila Belmiro
25/03/2004 – Santos 2 x 1 Guaraní – Manoel Ferreira
02/03/2011 – Santos 1 x 1 Cerro Porteño – Vila Belmiro
14/04/2011 – Santos 2 x 1 Cerro Porteño – Pablo Rojas
25/05/2011 – Santos 1 x 0 Cerro Porteño – Pacaembu
01/06/2011 – Santos 3 x 3 Cerro Porteño – Pablo Rojas

Artilheiros santistas contra times paraguaios na Libertadores
1 – Coutinho e Pepe, três gols.
3 – Pelé, Nenê, Elano, Robgol e Ricardo Oliveira, dois gols.