Santos e Inter, 83 anos de duelos

Santos e Inter, 83 anos de duelos

Por Odir Cunha

Desde que se enfrentaram pela primeira vez, no longínquo 12 de maio de 1935, e empataram em 1 a 1 no Estádio dos Eucaliptos, em Porto Alegre, Santos e Internacional já disputaram 72 partidas. Nesses 83 anos de uma história repleta de alternativas, o jogo mais importante que fizeram completará meio século no dia 4 de dezembro deste ano.

Estávamos na fase final do Torneio Roberto Homes Pedrosa, que definiria o título de campeão brasileiro daquele ano de 1968. Líder do Grupo B, com 22 pontos, o Santos tinha sido prejudicado na tabela do quadrangular final da competição, pois faria dois jogos fora do Estado de São Paulo, contra Internacional e Vasco, e enfrentaria o Palmeiras no Morumbi.

O jogo de abertura do quadrangular ocorreu justamente no Estádio Olímpico, em Porto Alegre, contra o Internacional, na noite de quarta-feira, 4 de dezembro, com a presença de 30.867 espectadores. Com uma das melhores equipes de sua história, o Inter jogou com Gainete, Laurício, Scala, Pontes e Jorge; Andrada, Elton e Dorinho; Carlitos (depois Tovar), Braulio, Claudiomiro e Canhoto. O técnico era Daltro Menezes.

Considerado o melhor time do Brasil na época, o Santos foi escalado pelo técnico Antoninho com Cláudio, Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Marçal e Rildo; Clodoaldo e Lima (depois Negreiros); Edu, Pelé, Toninho e Abel.

Muito equilibrado, o primeiro tempo terminou 1 a 1. Pelé abriu o marcador aos 32 minutos, mas Elton empatou cinco minutos depois. Apenas aos 43 minutos da segunda etapa veio o gol da vitória, com Carlos Alberto marcando, de pênalti.

O Santos seguiu firme rumo ao seu sexto título brasileiro, derrotando o Palmeiras, no Morumbi, por 3 a 0, e o Vasco, no Maracanã, por 2 a 1. O Alvinegro Praiano teve, ainda, o ataque mais positivo da competição, com 37 gols, e fez também o seu artilheiro, Toninho, com 18 gols. Dos 10 maiores públicos do campeonato, seis tiveram a presença do Santos.

O Internacional ainda perderia do Vasco, no Maracanã, por 3 a 2, e venceria o Palmeiras, em Porto Alegre, por 3 a 0, terminando como vice-campeão brasileiro. Santos e Inter deveriam disputar a Copa Libertadores da América de 1969, mas um impasse entre a CBD e a Conmebol impediu que o Brasil fosse representado naquela edição da competição sul-americana.

O show de Neymar

No ano de seu Centenário o Santos voltou a fazer um jogo marcante contra o Internacional. Em 7 de março de 2012, noite de quarta-feira na Vila Belmiro, pela fase de grupos da Copa Libertadores, o Alvinegro Praiano venceu por 3 a 1 e Neymar marcou todos os gols santistas, dois deles muito bonitos, depois de receber a bola no meio de campo e empreender uma arrancada que só terminou no fundo da meta de Muriel.

No primeiro jogo, um Friedenreich santista

Como se sabe, o atacante paulista Arthur Friedenreich foi o melhor jogador da fase amadora do futebol brasileiro. Pois bem. Em maio de 1935 Friedenreich se juntou à delegação santista para alguns amistosos no Rio Grande do Sul e participou do primeiro jogo entre Santos e Internacional.

Jogado em 12 de maio, no Estádio dos Eucaliptos, o confronto terminou empatado em 1 a 1. O ponta-direita Sacy marcou para o Santos aos oito minutos da primeira etapa e Macuzza empatou aos 12 minutos da segunda. O Inter pressionou em busca da vitória, mas o goleiro Cyro fez grandes defesas, a ponto de ser de campo carregado pela torcida.

Nessa partida o Santos foi escalado pelo técnico Bilu com Cyro, Neves e Badu (depois Iracino); Marteletti, Ferreira e Janguinho; Sacy, Moran, Mario Seixas, Friedenreich e Junqueira (Paulinho). O Internacional jogou com Penha, Paroto e Rizada; Garnizé, Andrade e Levi; Floriano, Tupan, Macuzza, Darcy e Prestes.

Na Vila, Santos vence 63,6%

Com informações dos historiadores Guilherme Gomez Guarche e Gabriel Santana

O confronto entre Santos e Internacional tem sido bem equilibrado ao longo da história, mas na Vila Belmiro a vantagem santista é acentuada. Em 22 jogos realizados no Urbano Caldeira, o Santos venceu 14, ou 63,6%, empatou seis e só perdeu dois. Marcou 40 gols e sofreu 19.

Se forem computadas apenas partidas pelo Campeonato Brasileiro, a vantagem do Santos em seu estádio ainda é muito grande: em 17 confrontos, venceu 11, empatou quatro e perdeu dois, marcando 29 gols e sofrendo 13.

Na soma de todos os jogos, porém, o equilíbrio é patente. Das 72 partidas que já disputaram, o Santos venceu 27 e perdeu 26, com 19 empates. O Alvinegro Praiano marcou 91 gols e sofreu 90.

Apenas pelo Campeonato Brasileiro Santos e Inter se defrontaram 60 vezes, com 23 vitórias do Santos, 22 do time gaúcho, 79 gols santistas e 72 colorados.