Pelé 80: Joaquinzinho pelo Rei

Pelé 80: Joaquinzinho pelo Rei

Quando o time santista excursionava pelo interior gaúcho, o então garoto Pelé, de 16 anos, tinha disputado apenas 11 jogos e marcado dois gols com a camisa alvinegra, e aos poucos ia ganhando seu espaço na equipe titular do Peixe.

Os diretores do GE Brasil, também conhecido por sua fanática torcida de Xavante, ficaram impressionados com o talento e a disposição mostrados pelo jovem franzino de canelas finas e corpo ainda quase sem musculatura, e tentaram a contratação do talento santista.

O interesse por Pelé aconteceu no encontro disputado no dia 22 de março de 1957, na partida amista entre o Santos e o Brasil de Pelotas, disputada no Estádio Boca do Lobo, em Pelotas. O confronto terminou em 2 a 2, com Dorval e Pagão marcando para o Peixe, e Joaquinzinho e Caizé para o time local.

A sondagem se deu no saguão do Grande Hotel de Pelotas, quando o presidente do Xavante, Carlos Russomano ouviu do técnico Luiz Alonso Perez, o Lula, o pedido de liberação do atacante Joaquinzinho, um dos destaques do time rubro-negro gaúcho.
O presidente Russomano respondeu que só liberaria o seu maior craque caso o Santos pagasse CR$ 400 mil e cedesse também aquele “moleque rápido” que o técnico Lula havia colocado em campo no segundo tempo da partida no lugar do centroavante Pagão.

Lula então disse que não haveria negócio, pois aquele garoto era uma joia a ser lapidada, e que o clube santista não tinha interesse nenhum em se desfazer da sua jovem promessa pondo fim a conversa iniciada pelo dirigente do Xavante.

Esse relato é a verdadeira história da tão decantada troca de Pelé por Joaquinzinho, lenda essa que entrou para o folclore do futebol brasileiro, e é ate hoje motivo de conversas e discussões acaloradas entre os torcedores do Brasil e seus rivais gaúchos.

Joaquinzinho era o apelido de Joaquim Gilberto da Silva, que iniciou sua carreira no Brasil de Pelotas. Após se destacar pela equipe gaúcha, atuou ainda pelo Internacional, Corinthians, Juventus-SP, Fluminense e XV de Piracicaba. Retornou para o clube que o revelou em 1969, para encerrar sua carreira. Joaquinzinho faleceu em 20 de julho de 2007, em Pelotas, sua terra natal.