O Santos já foi Foot-Ball Club

O Santos já foi Foot-Ball Club

Por Gabriel Pierin, do Centro de Memória

Influenciado pela origem inglesa do futebol, ao ser batizado, em 14 de abril de 1912, o Santos tinha um Foot-Ball Club depois do nome. Um ano depois, a denominação foi alterada para Santos Football Club. Até que, em assembleia de 23 de fevereiro de 1976, o Conselho Deliberativo do clube, seguindo o exemplo de muitas outra agremiações brasileiras, resolveu aportuguesar o nome para o atual Santos Futebol Clube.

O original Santos Foot-Ball Club permaneceu até 1915, quando ocorreu a primeira alteração. A sugestão da mudança foi feita pelo primeiro secretário do clube, Urbano Caldeira, em Assembleia Geral Ordinária na sede do Largo do Rosário, em 25 de julho. Agnello Cícero de Oliveira era o presidente do clube, mas quem presidiu a sessão ordinária foi Sizino Patusca.

O secretário Urbano Caldeira anunciou a alteração nos seguintes termos: “Por minha indicação, fica estabelecido que o nome do club, até então “Santos Foot-Ball Club”, fique sendo “Santos Football Club”, havendo a supressão da letra B na bandeira e no escudo”.

Passaram-se mais de sessenta anos. O Santos já tinha ganhado o mundo e há quase dois anos Pelé deixara o clube quando, na noite de segunda-feira, 23 de fevereiro de 1976, com aprovação do Conselho Deliberativo, presidido por Modesto Roma, o Santos sofreu a segunda e última alteração em seu nome, passando a chamar-se Santos Futebol Clube.

A influência inglesa

Se existe uma coisa que não muda é a natureza mutável das coisas. A vida e o mundo estão em constante transformação. Nos esportes e no futebol, especificamente, não é diferente. Quando conhecemos a história do Santos, percebemos que nem a obrigação estatutária foi capaz de segurar o ímpeto das mudanças através do tempo.

O artigo 115 do capítulo 20 do Estatuto do Santos, aprovado em Assembleia do dia 21 de dezembro de 1921, dizia que o nome e a graphia do club eram imutáveis. Apenas o nome Santos resistiu. Até a palavra “grafia” sucumbiu à evolução da língua.

Como se sabe, o futebol moderno teve sua origem na Inglaterra. Nada mais natural, então, do que importar dos britânicos seus acessórios, regras e idioma. Assim como as primeiras bolas, a terminologia do esporte chegou aos nossos portos vindas do império da realeza. Expressões como corner e off-side ainda resistem ao tempo entre os saudosistas, mas ganharam traduções correspondentes no português: escanteio (canto) e impedido (fora de jogo).

Outras palavras e expressões foram aportuguesadas, ou seja, receberam uma adaptação fonética, a exemplo de footballteamdribblingshoot. Tudo o que se referia ao esporte, ou ao sport, ganhava denominação inglesa. A prática do foot-ball se espalhava em nosso território ao modo britânico. A sociedade e a imprensa reproduziam o estilo e os costumes ingleses.

A situação era essa em 1912, quando o Santos foi fundado. Porém, a rápida popularização do futebol acelerou a substituição dos termos estrangeiros por outros da língua portuguesa, o idioma dos brasileiros de todas as classes que, apaixonadamente, passavam a praticar o novo esporte.