O que seria do futebol sem os Meninos da Vila? 

Por Pedro Mendes, do Memorial das Conquistas

Há exatos 43 anos, o Santos projetava ao futebol a primeira geração de Meninos da Vila e vencia pela décima quarta vez o Campeonato Paulista, competição que ficou conhecida por ser uma das mais longas da história do futebol, tendo seu início no dia 20 de agosto de 1978 e final no dia 28 de junho de 1979.

A Geração que deu continuidade aos títulos pós-Pelé foi marcada pela irreverência e juventude dos jogadores formados na Vila Belmiro, como Pita e Juary, e pela liderança do veterano Clodoaldo. 

A CAMPANHA 

O Campeonato Paulista deste ano foi disputado em três turnos, onde o Santos sagrou-se campeão após ter marcado mais gols no último e decisivo turno. 

Para trazer o título para a Vila Belmiro foram necessárias 56 partidas, onde o Peixe obteve 26 vitórias, 16 empates e 14 derrotas. O time marcou 80 gols, sofreu 47 e teve o artilheiro da competição, Juary.

No primeiro turno o Alvinegro ocupou a segunda colocação do Grupo A, atrás da Ponte Preta, e após passar pelo São Paulo nas quartas de final e vencer a própria Ponte Preta nas semifinais, acabou perdendo a final para o Corinthians. 

No segundo turno o Peixe ficou em primeiro no Grupo D e enfrentou a segunda colocada de seu grupo, a Francana, pelas quartas de final, onde venceu por 2 a 1. Nas semifinais o Santos acabou sendo superado pela Ponte Preta, vencedora do turno. 

Somente as equipes com melhor pontuação, somando primeiro e segundo turno, foram classificadas para o turno final. O Santos com a quarta melhor campanha caiu no Grupo B e se classificou para as semifinais após ficar em segundo lugar.

Com dois gols de Juary e um de João Paulo, o Santos venceu o atual campeão nacional, o Guarani, classificando-se para a tão sonhada final. 

A DECISÃO 

O adversário era o São Paulo, campeão brasileiro em 1977, e que tinha um time com jogadores mais experientes que os do plantel santista. Mas com gols dos Meninos da Vila Pita e Juary, o Santos bateu o Tricolor por 2 a 1 na primeira partida da finalíssima, que seria disputada em três jogos.  

Na segunda partida, empate por 1 a 1, com o gol do peixe marcado por Célio, e o Santos poderia até perder no tempo normal que levaria o jogo para a prorrogação com a vantagem do empate.

E assim o fez! Em uma noite num Morumbi lotado com 80 488 espectadores, o Alvinegro Praiano do técnico Formiga, levou a campo a equipe com Flávio, Nelsinho Batista, Antônio Carlos, Neto e Gilbert, Zé Carlos, Toninho Vieira e Pita, Nilton Batata, Juary e Claudinho. Após perder por 2 a 0 no tempo normal, segurou o empate na prorrogação e conquistou o título para delírio da imensa torcida santista presente.