O menino Coutinho brilha e o Santos conquista seu primeiro Rio-São Paulo

O menino Coutinho brilha e o Santos conquista seu primeiro Rio-São Paulo

Por Gabriel Pierin, do Centro de Memória

Em 17 de maio de 1959, um domingo, o Santos conquistava pela primeira vez o título do Torneio Rio-São Paulo ao vencer o Vasco por 3 a 0, no Pacaembu. Autor de dois gols, o jovem artilheiro Coutinho, com apenas 15 anos, foi o destaque da partida.

O Torneio Rio-São Paulo de 1959 foi disputado em turno único. Santos e Vasco, coincidentemente, chegaram à última rodada concorrendo diretamente pelo título. O postulante Flamengo, derrotado no dia anterior pelo São Paulo, estava fora da disputa. O time de São Januário tinha um ponto de vantagem e bastava um empate para se sagrar bicampeão.

Com o apoio de 21 000 torcedores, o Santos jogou com força máxima. Coutinho, que começou o campeonato na reserva, se firmou na equipe depois que Pagão se lesionou e era a esperança de gols para o clássico. O jovem atacante de 15 anos já tinha marcado cinco gols na competição. O técnico Lula escalou o time com Laércio, Ramiro, Getúlio e Mourão; Álvaro e Zito (Fioti); Dorval, Jair Rosa Pinto, Coutinho, Pelé e Pepe.

O árbitro Frederico Lopes deu início ao jogo às 16 horas. Com a vantagem do empate, o Vasco começou a partida disposto a se defender. O atual campeão carioca tinha uma defesa experiente e o técnico Gradim armou a equipe com Barbosa, Dário, Viana e Coronel; Laerte e Russo; Sabará, Robson, Zé Henrique (Cabrita), Rubens e Peniche (Osvaldo).

A marcação imposta sobre Pelé impedia a criação de suas jogadas características. Quando o ataque santista conseguia furar o bloqueio vascaíno, esbarrava nas defesas do goleiro Barbosa. Segundo Lalá, goleiro recém contratado pelo Santos, que acompanhava o jogo do banco de reservas, o ex-goleiro da Seleção Brasileira fez uma partida impecável, evitando uma goleada: “Foi uma das melhores atuações na carreira do Barbosa. Ele só não contava com Coutinho, em tarde inspirada”.

No segundo tempo os defensores cruzmaltinos não conseguiram manter a intensidade na marcação. Logo aos quatro minutos, Pelé encontrou Pepe livre. O ponta-esquerda cruzou para a área e o centroavante Coutinho cabeceou firme para o gol.

Com a mudança no resultado, a equipe carioca precisou se lançar ao ataque. O Santos se aproveitou do ímpeto vascaíno e ampliou a contagem aos 14 minutos. Jair lançou a bola na área, Pelé dominou antes de Viana e, na saída de Barbosa, colocou no canto direito do goleiro.

Aos 43 minutos, quando a torcida já começava a comemorar a vitória e o título, veio o terceiro gol. Pelé penetrou na área, se livrou do zagueiro, tirou do goleiro e deixou a bola livre para Coutinho finalizar.

Um dia inesquecível

Há exatamente um ano de sua estreia no clube e a 21 dias de completar 16 anos Coutinho marcou dois gols na decisão do torneio. Era o primeiro título de sua vitoriosa carreira no Santos. Ele havia estreado em 17 de maio do ano anterior, com apenas 14 anos, contra o Sírio Libanês de Goiás. O jogo terminou 7 a 1 para o Santos e o centroavante marcou um gol.

Campanha

Para ser campeão o Alvinegro jogou nove partidas, com seis vitórias, um empate e duas derrotas. Marcou 24 e sofreu 16 gols, com os seguintes artilheiros: Coutinho (7), Pelé (6), Pagão (4), Pepe (3), Jair Rosa Pinto (2), Dorval e Zito (1).

Retrospecto

O Santos conquistava pela primeira vez o torneio entre paulistas e cariocas, considerado o de melhor nível técnico disputado no país. Além daquele título, o Peixe ganharia mais quatro vezes o torneio, nos anos de 1963, 1964, 1966 e 1997.