Nesse confronto, o Santos tem a força

Nesse confronto, o Santos tem a força

Por Odir Cunha, do Centro de Memória
Estatísticas por Guilherme Guarche e Gabriel Santana

Dos times da Série A, o único que jamais venceu o Santos é justamente o Fortaleza, adversário deste domingo, às 16 horas, na Vila Belmiro. Esse retrospecto histórico é uma referência importante, mas, como a sabedoria popular nos ensina, cada jogo é um jogo.

Até agora, em 15 confrontos, o Santos venceu oito e empatou sete, marcou 32 gols e sofreu nove. Pelo Campeonato Brasileiro jogaram 12 vezes, com seis vitórias santistas e seis empates, 22 gols do Santos e apenas seis do Fortaleza. Porém, nos três jogos pelo Brasileiro na Vila Belmiro, o Alvinegro Praiano não se saiu tão bem.

Empatou dois – por 1 a 1 e 0 a 0 – e venceu apenas um. O triunfo, por 4 a 0, foi obtido em um domingo de festa, 27 de abril de 2003, em que o placar eletrônico foi inaugurado no Urbano Caldeira e o estádio recebeu 8 280 torcedores animados com a possibilidade de o Santos brigar pelo bicampeonato nacional.

Era apenas a sexta rodada, mas o time, que mantinha a base da equipe campeã brasileira no ano anterior, reforçada por Ricardo Oliveira e Nenê, vinha de uma vitória incontestável sobre o Flamengo, no Maracanã, por 2 a 0.

O Fortaleza correu e criou até boas chances, mas aquele Santos parecia insuperável. Renato abriu o marcador aos 34 minutos do primeiro tempo, cabeceando um escanteio cobrado por Diego. Vinte minutos antes o time do Ceará tinha perdido uma chance incrível embaixo do gol de Fábio Costa.

Aos seis minutos da segunda etapa, Nenê driblou o marcador, penetrou na área e encheu o pé no ângulo direito do goleiro Jefferson. Um golaço! Mas o adversário não se entregava e quatro minutos depois teve um pênalti para diminuir a vantagem santista. A bola, porém, chocou-se com o pé da trave esquerda.

Aos 20 minutos Erandir foi expulso pelo segundo cartão amarelo, mas a vantagem santista durou pouco, pois Ricardo Oliveira teve a mesma sorte 12 minutos depois. A certeza da vitória só veio mesmo aos 35 minutos, com o gol de Douglas, de cabeça, aproveitando um escanteio pela direita.

Nos minutos finais o time visitante foi totalmente envolvido pela rápida troca de passes dos jovens e habilidosos santistas. Para coroar a tarde, aos 40 minutos, em uma bela jogada de todo o ataque, Léo cruzou da esquerda e Renato apareceu na trave oposta para fazer o seu segundo gol na partida.

O Santos seguiu em busca do título e terminou a competição em segundo lugar, atrás apenas do Cruzeiro. O Fortaleza acabou rebaixado, em penúltimo lugar, à frente apenas do Bahia.

Artilheiros santistas do confronto em jogos do Brasileiro

Pelé, Nenê Belarmino, Seginho Chulapa e Renato: 2 gols.

Na primeira partida, goleada santista no Ceará

Na primeira vez em que enfrentou o Fortaleza, em 29 de dezembro de 1946, no Estádio Getúlio Vargas, em Fortaleza, o Santos participava de uma longa excursão ao Norte/Nordeste do País – iniciada em 29 de novembro de 1946 e concluída em 2 de fevereiro de 1947.

Com personalidade, o Alvinegro Praiano soube se impôs e, depois de terminar a primeira etapa com a vantagem mínima, chegou a uma vitória incontestável de 4 a 1, com gols de Caxambu, Juju (contra), Zeferino e Maracaí. Arrupiado marcou para os locais. Durval Valente foi o árbitro.

Nessa partida o Santos foi escalado pelo técnico Abel Picabéa com Osni (Zezinho), Artigas e Expedito; Nenê, Dacunto e Ayala; Pirombá (Zeferino), Canhoto (Leonaldo), Caxambu, Adolfrises (Maracaí) e Ruy.

O Fortaleza atuou com Juju, Zé Sérgio e Stênio; Jorge, Torres e Arrupiado; Geraldo, Adalberto (Dudu), Jombrega, Zeca Pinto (Motor) e Piolho.