Lula, o fazedor de craques

Lula, o fazedor de craques

Guilherme Guarche, do Centro de Memória

Ele era leiteiro, mas acabou se especializando mesmo em outro tipo de nata, a nata do futebol. Sua história começou em 22 de fevereiro de 1922, uma quarta-feira, em Santos, quando nasceu com o nome pomposo de Luiz Alonso Perez, consagrado apenas como Lula, o técnico mais vitorioso do Santos e do futebol brasileiro.

Com um olho clínico invejável, Lula descobriu e lançou no time profissional do Santos uma constelação de jogadores geniais, de Del Vecchio, Pepe, Pelé e Coutinho no final dos anos 50, a Joel Camargo, Clodoaldo e Edu na década seguinte.

Lula dirigiu pela primeira vez a equipe titular em substituição a Aymoré Moreira, técnico efetivo do Santos que fora servir a Seleção Paulista. Nessa participação como técnico interino o Santos venceu o São Paulo por 1 a 0, no Pacaembu, com gol de Alemão.

Nesse jogo o time jogou com Luis, Olavo (Diogo) e Expedito; Nenê, Formiga e Pascoal; Cento e nove (Hugo), Dedeco, Alemão, Nicácio e Canhoto (Chiquinho). Em seguida Lula dirigiu outra partida amistosa diante do mesmo São Paulo, na Vila Belmiro, com o adversário vencendo por 2 a 0.

Sua efetivação como técnico do time principal ocorreu em 5 de junho de 1954,  um sábado, quando o Santos, surpreendentemente, venceu o Botafogo de Garrincha, no Maracanã, por 3 a 2,  pelo Torneio Rio-São Paulo.

Nessa vitória, o ponta Tite marcou duas vezes e Joel, uma. Dino e Garrincha marcaram para o alvinegro carioca. O Santos jogou com Manga, Hélvio e Feijó; Urubatão, Formiga e Zito; Joel, Walter, Álvaro, Vasconcelos (Hugo) e Tite.

A última vez que Lula entrou em campo como treinador do Santos foi em  19 de dezembro de 1966, uma segunda-feira, na vitória por 3 a 0 sobre a Prudentina, pelo Campeonato Paulista, na Vila Belmiro. O centroavante Toninho Guerreiro marcou os três gols santistas e o time formou com Cláudio, Zé Carlos, Modesto e Geraldino; Lima e Orlando; Amauri, Joel Camargo, Toninho, Dorval e Abel.

Lula conquistou 38 títulos pelo Santos. Ao sair, foi substituído por Antônio Fernandes, o Antoninho, ídolo santista dos anos 40. Lula faleceu em 15 de junho de 1972, uma quinta-feira, aos 50 anos de idade.

Curiosidade: Ao contrário do que se fala, Lula não foi chofer de praça. Quem tinha essa profissão era seu irmão. Um dos três filhos do saudoso técnico Lula, Marcos Alonso Perez, desabafou que: “Meu pai talvez seja o técnico mais injustiçado da história do futebol. Inventaram essa história de que jogava a camisa para o alto e quem pegasse entrava em campo. Mas meu pai tinha um olho clínico sensacional. Ele que montou aquele timaço. O problema é que ele não falava bem, não tinha marketing. E morreu por causa do Santos, porque não voltou ao Santos”.