Estes Santos não se batem

Estes Santos não se batem

Por: Odir Cunha

Se o articulista escrever que o Santos tem um grande saldo de vitórias sobre o São Bento, de Sorocaba, muitos leitores nem vão conferir direito. Pensarão: “E daí? Claro que um time grande tem de ter mais vitórias nos confrontos com um time menor”. Sim, até aí tudo bem, os números mostrados a seguir confirmarão essa supremacia. Mas as nuances exibirão mais abaixo é que darão o diferencial desse confronto. Leia.

Até hoje, Santos e São Bento se enfrentaram 64 vezes, com 30 vitórias santistas, 25 empates e nove do time de Sorocaba. Nesses com frontos o Santos marcou 105 gols e sofreu 59.

Só pelo Campeonato Paulista ambos jogaram 59 partidas, das quais o Santos venceu 29, empatou 22 e perdeu oito; marcou 98 gols e sofreu 52.

Agora, só pelo Campeonato Paulista no Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, onde voltarão a jogar nesta quinta-feira, às 19h15, foram 14 partidas, com quatro vitórias, sete empates e três derrotas; 16 gols a favor e 13 contra (se as estatísticas fossem determinantes, por aí se vê que segundo elas os resultados mais lógicos desta quinta-feira seriam o empate ou a vitória do Santos).

Só uma grande goleada

O curioso é que até clubes grandes foram mais goleados pelo Santos do que o São Bento. O azulão de Sorocaba passou até pelos irresistíveis anos 60 sem grandes prejuízos. A maior goleada do confronto ocorreu em uma quarta-feira, 9 de dezembro de 1964, quando o Alvinegro Praiano venceu por 6 a 0, com três gols de Pelé, um de Coutinho, um contra de João Carlos e um de Mengálvio. Mais de 10 mil pessoas assistiram à partida, na Vila Belmiro, pois o Santos caminhava para o seu sétimo título estadual.

Quando foi pedra no sapato

Só para confirmar que todo time merece respeito, em um período de seis anos – de 10 de novembro de 1974 a 22 de outubro de 1980 – ambos se defrontaram 11 vezes, com quatro vitórias do São Bento, duas do Santos e seis empates. Destes, sete jogos foram na Viloa Belmiro.

No empate de 1974, 1 a 1, na Vila, o gol sorocabano foi de Edson, amigo de infância do articulista. Depois de passar a infância e a adolescência no bairro de Cidade Dutra, na região Sul de São Paulo, Edson começou no futebol como  quarto-zagueiro do São Bento e de lá foi para o Guarani, tornando-se capitão do time campeão brasileiro de 1978.

O início da caminhada para o título de 1984!

Por Gabriel Santana, do Centro de Memória

No começo da campanha do Campeonato Paulista de 1984, depois de vencer nas três primeiras rodadas, o Santos teve pela frente o São Bento, em Sorocaba.

Nos primeiros minutos a equipe da casa ensaiou uma pressão e aos seis minutos teve uma chance clara de gol com o centroavante Cássio, parado por Rodolfo Rodriguez.

A partir do gol perdido pelo São Bento, o Santos tomo9u a iniciativa do jogo. Serginho Chulapa, atuando no sacrifício devido a uma lesão logo no início da partida, assinalou um lindo gol de calcanhar, aos 25 minutos. Após bela jogada de Zé Sérgio, Serginho se desvencilhou da marcação e, de costas, abriu o marcador.

Cinco minutos depois, em cobrança de escanteio, Lino desviou e, na sobra, o zagueiro Márcio Rossini assinalou o segundo gol do Peixe. Após sofrer o segundo gol, a equipe de Sorocaba se descontrolou e passou a errar muitos passes.

Na volta do intervalo, o clube do interior voltou com outro ânimo e foi para cima do Santos.  A empolgação não surgiu efeito, e sob o comando do técnico Castilho a equipe santista soube muito bem segurar a vantagem, principalmente pela brilhante atuação do ponta Zé Sérgio, o melhor em campo naquele dia. E foi com uma jogada do ponteiro que o Alvinegro alcançou o terceiro gol.

Após puxar o contra-ataque, Zé Sérgio cruzou na medida para Lino, que, de cabeça, finalizou o marcador.
O São Bento não tinha mais forças para golpear o time da Vila e não incomodou o arqueiro Rodolfo Rodriguez, que seguiu sem sofrer gols na competição até ali.

Com o triunfo, Santos o conquistou sua quarta vitória consecutiva e assim seguia firme e invicto em busca de mais um título paulista.

Artilheiros santistas do confronto

1 – Pelé, 11 gols.
2 – Toninho Guerreiro, 9 gols.
3 – Edu, 8 gols.
4 – Coutinho, 5 gols.

Primeira partida, antes de Pelé 

A primeira partida do Santos com o São Bento foi um amistoso jogado em 10 de junho de 1956 no estádio Nogueira Padilha, em Sorocaba. O Santos ganhou por 3 a 2, com gols de Vasconcelos, Alfredinho e Pepe (Joel fez os dois do time local). O árbitro foi Abílio Ramos e a renda somou 160 mil cruzeiros.

O Santos Futebol Clube jogou com Manga,  Wilson (Hélvio) e Ivan (Feijó); Ramiro (Cássio), Fiote e Zito; Alfredinho (Carlinhos), Álvaro, Del Vecchio, Vasconcelos e Tite (Pepe).

O Esporte Clube São Bento formou com Walter, Julião e Cidóca; Lanzudo, Escurinho e Sergio; Reis (Severo), Joel, Ubirajara (Ronaldo), Periquito e Cilno (Rodriguinho).

Lanzudo, um super veterano

Por Guilherme Gomez Guarche

Nesse time do São Bento de 1956 atuava o zagueiro Alcides José da Silva, conhecido como Lanzudo, que em 1951 atuou pelo Santos. Lanzudo é um dos mais velhos jogadores da história do Alvinegro Praiano, pois completará 89 anos em 1º de fevereiro. Ele jogou três partidas oficiais e duas amistosas pelo Santos.