Em tarde mágica de Rodrygo, Santos FC goleia Vitória (BA) pelo Campeonato Brasileiro

Em tarde mágica de Rodrygo, Santos FC goleia Vitória (BA) pelo Campeonato Brasileiro

O Santos Futebol Clube recebeu a equipe do Vitória (BA) na Vila Belmiro, pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro, e goleou pelo placar de 5 a 2. O destaque da partida ficou por conta de Rodrygo: o Menino da Vila, em tarde inspirada, marcou seu primeiro hat-trick como profissional, enquanto os outros gols alvinegros saíram da cabeça de Renato e dos pés de Gabriel.

Com o resultado, o Santos FC chegou aos 9 pontos na classificação do Campeonato Brasileiro. O alvinegro, agora, concentra suas forças para o clássico contra o Corinthians, fora de casa, na próxima quarta-feira (6), pela 10ª rodada do certame. Além deste jogo, antes da Copa do Mundo o Peixe ainda terá mais dois compromissos: contra o Internacional, em casa, e contra o Fluminense, no Rio de Janeiro.

O jogo – As condições climáticas que marcaram o início do duelo entre Santos FC e Vitória, a princípio, pareciam não ser das mais favoráveis. A chuva insistente e o gramado molhado poderiam sinalizar que este jogo seria burocrático, travado, sem fluência nas jogadas. Assim que a bola rolou, no entanto, nada disso se confirmou. O que o torcedor santista pôde ver nos 45 minutos iniciais foi uma verdadeira atuação de gala do alvinegro praiano.

Esmagando a equipe adversária em seu campo de defesa, o Santos FC começou a partida trocando passes e atacando com perigo a meta de Elias. Jean Mota, aos 8, mandou bola na trave, mas no rebote Gabriel, travado, não conseguiu concluir o rebote para as redes. Renato, no lance seguinte, marcou para o Peixe, mas o tento foi anulado pela arbitragem.

Após estes eventos o tempo fechou na Vila Belmiro: era a vez de o Rayo aparecer para a torcida alvinegra. Antes infernizando a retaguarda rival com dribles e bons passes, Rodrygo, após boa trama entre Gabriel e Victor Ferraz, aproveitou rebote de finalização de Dodô e abriu o placar. Três minutos depois, aos 25, o Rayo alvinegro recebeu boa bola na grande área, deixou Lucas para trás e marcou o golaço que aumentou a vantagem do Peixe.

Cinco minutos depois, novamente o Rayo deixou sua marca: o Menino da Vila recebeu boa bola de outra revelação alvinegra, Gabriel, ganhou do defensor e concluiu seu hat-trick, inédito em sua curta carreira como profissional até então. Antes de o primeiro tempo terminar, o capitão Renato ainda conseguiu aproveitar belo cruzamento de Diego Pituca (um dos melhores do Santos FC na partida), e, de cabeça, anotou o quarto em apenas 45 minutos de jogo.

Na segunda etapa, com a vitória consolidada, o Santos FC voltou a campo buscando administrar a larga vantagem, jogando assim nas brechas oferecidas pelo adversário baiano. Neilton, aos 17 minutos, aproveitou a diminuída no ritmo para descontar, após realizar boa trama com André Lima na entrada da área. O Peixe, no entanto, não deixou barato: após linda defesa de Vanderlei, Rodrygo, em tarde mágica, deu linda assistência do campo de defesa para Gabriel, que disparou livre de marcação e escolheu o canto direito de Elias para ampliar. Ramon, perto do final do jogo, descontou para o Vitória, fechando o placar.

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

FICHA TÉCNICA

SANTOS 5 x 2 Vitória (BA)

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP);

Data: domingo, 3 de junho de 2018;

Horário: 16h (de Brasília);

Árbitro: Rodrigo D’Alonso Ferreira;

Assistentes: Helton Nunes e Alex dos Santos;

Cartões Amarelos: Kanu (VIT), Rodrigo Andrade (VIT), Wallyson (VIT) Lucas Marques (VIT);

Gols: Rodrygo (22′, 25′, 30′ 1ºT), Renato (44′ 1ºT), Neilton (17′ 2º), Gabriel (28′ 2ºT), Ramon (38′ 2ºT);

SANTOS FC: Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo (Gustavo Henrique), David Braz, Dodô, Renato, Diego Pituca, Jean Mota, Eduardo Sasha (Léo Cittadini), Rodrygo (Copete), Gabriel. Técnico: Jair Ventura.

Vitória (BA): Elias, Lucas, Pedro Botelho, Kanu, Aderllan Santos, Uilian Correia (Lucas Marques), Rodrigo Andrade (Ramon), Wallyson, Rhayner, Neilton, Lucas Fernandes (André Lima). Técnico: Vagner Mancini.

Texto: Bruno Secco