Diálogo com o passado alvinegro

Diálogo com o passado alvinegro

Como o historiador traz o passado para o presente

O conhecimento histórico se faz através de vestígios deixados pelo homem ao longo do tempo. São essas “pegadas”, conhecidas como fontes históricas, que permitem ao historiador mergulhar no passado e reconstruir a história.

Quando o historiador trabalha com suas fontes, ele o faz no seu presente, pois é um estudioso que vive em uma sociedade diferente daquela para a qual ele volta seus olhos a fim de pesquisar suas particularidades. Por isso, deve ter o cuidado de não cometer o anacronismo, ou seja, julgar o passado aos olhos do presente.

Ao trazer essas premissas para o nosso campo de trabalho, o Santos Futebol Clube, enfrentamos um enorme desafio e uma vantagem: sabemos o que aconteceu ou o que viria a acontecer com o nosso clube do coração. Antevemos suas vitórias e suas derrotas. Suas conquistas dentro e fora dos campos. Distanciar a função de historiador com a de torcedor não é nada fácil. Ainda mais de um clube tão apaixonante e predestinado quanto o Santos FC.

Nossa seção de artigos, elaborada carinhosamente pelos historiadores do clube, revelará a você, leitor, os documentos que confirmam as ações das pessoas que ajudaram a construir nossa gloriosa história.

Seria possível prever que naquele distante 14 de abril de 1912 nascia um clube que exatos 50 anos depois se tornaria o primeiro time de futebol brasileiro a conquistar um título mundial?

Quem eram e o que pensavam aqueles jovens fundadores sobre um esporte recém chegado ao Brasil?

Como foram os primeiros confrontos com jovens equipes que mais tarde se tornariam grandes rivais?

Essas e outras questões serão respondidas à luz da História. Acompanhe nossos artigos nesta seção e participe com sugestões de pauta e comentários