Como o Santos se tornou o único supercampeão mundial

Como o Santos se tornou o único supercampeão mundial

Gabriel Pierin, do Centro de Memória

Na noite de 24 de junho de 1969, uma quarta-feira, em Milão, o Santos venceu a Internazionale por 1 a 0 e conquistou a Recopa Mundial de 1968, tornando-se o primeiro – e único – supercampeão mundial.

A Recopa Sul-Americana, ocorrida no mês anterior, funcionou como uma etapa eliminatória para o torneio intercontinental. Disputada em pontos corridos, a equipe com maior pontuação sagrava-se campeã e garantia a vaga para o confronto mundial com o campeão europeu.

Participaram do torneio apenas os três sul-americanos campeões da chamada “Taça Intercontinental”, que na prática equivalia ao título mundial interclubes: Santos (1962/63), Peñarol (1961/66) e Racing (1967).

Os seis pontos ganhos conquistados sobre os rivais sul-americanos, com duas vitórias sobre o Racing e uma sobre o Peñarol, deixaram o Santos na liderança isolada da disputa sul-americana.
Com o triunfo na América, o time de Vila Belmiro foi para a Itália enfrentar a Internazionale, bicampeã intercontinental em 1964/65, por mais um título de abrangência mundial. O Real Madrid, outro postulante europeu, desistiu de disputar o torneio.

O estádio San Siro recebeu 44 774 pagantes para assistir ao duelo entre o Santos de Pelé e a Internazionale de Mazzola. O árbitro espanhol Ortiz de Mendíbil foi escalado para apitar o clássico mundial.

A Internazionale começou melhor e dominou a maior parte do primeiro tempo. Pelé, acompanhado de perto por Bedin, pouco criou. O Santos não conseguia se entrosar no ataque e a maior chance na etapa inicial foi um chute de longa distância de Edu.

Aproveitando-se do nervosismo santista, a Inter se lançou ao ataque e construiu boas chances. Aos 40 minutos Rildo cometeu falta em Jair da Costa. Corso cobrou pelo alto e Laércio, que substituía Cláudio, machucado, fez boa defesa. Dois minutos depois, Clodoaldo bloqueou um cruzamento perigoso do esquadrão italiano.

O zagueiro Djalma Dias voltava a jogar bem e foi o grande destaque do time no primeiro tempo, período em que a defesa brasileira segurou o resultado e a Internazionale não soube aproveitar sua superioridade.

O time de Vila Belmiro voltou melhor para o segundo tempo. Logo no começo Pelé passou por dois marcadores e chutou forte da entrada da área. A bola bateu no rosto do goleiro Bordon e na sobra Burgnich aliviou para os italianos.

O trio de ataque Edu, Toninho e Abel passou a levar perigo. Aos nove minutos Edu fez uma jogada sensacional. Driblou três adversários e quase marcou com um chute potente. Um minuto depois veio o gol santista.

O lance começou a ser costurado em um escanteio. Abel cobrou e, na sobra, Poli isolou, chutando de bico. Rildo dominou e entregou para Edu, que driblou Guarnieri antes de entregar para Abel no bico da área. O ponta entregou para Negreiros. Habilidoso, o meia tentou dar um chapéu em Cella e foi segurado pelo pescoço. O árbitro apitou falta.

Pelé ajeitou carinhosamente e bateu forte. O goleiro Bordon não segurou e Toninho aproveitou o rebote. O Santos fazia 1 a 0 e calava o estádio. A partir daí, o domínio foi santista. O Santos soube administrar a vantagem até o término da partida, e o árbitro ainda deixaria de marcar um pênalti claro sobre Pelé.

O triunfo coroava a supremacia santista na década de 1960. A equipe base campeã da Recopa, escalada por Antoninho, foi formada por Cláudio (Laércio), Carlos Alberto, Ramos Delgado, Djalma Dias e Rildo; Clodoaldo e Negreiros; Toninho, Edu, Pelé e Abel. O técnico Maino Neri armou a Inter com Bordon, Burgnich, Guarnieri, Cella e Poli; Bedin e Mazzola; Jair da Costa, Domenghini, Corso e Vastola.

Hegemonia santista

As duas partidas decisivas da Recopa Mundial seriam, a princípio, realizadas em dezembro de 1968, porém foram transferidas para o ano de 1969. A segunda partida entre Santos e Inter, que seria jogada no Brasil, nunca se realizou, já que o time italiano alegou falta de faltas e postergou a se negou a enfrentar o Santos novamente, mesmo com a oferta, da diretoria do Peixe, de que a segunda partida fosse Nápoles.

Segundo se apurou junto à imprensa italiana, a verdade é que a equipe da Inter temia sofrer nova derrota para o Santos, e com contagem mais larga, pois como havia perdido a primeira partida dentro de seus redutos, certamente perderia também a segunda disputa, fosse na Itália ou no Brasil.

Como em 1969 só foi jogada a fase sul-americana da Recopa, vencida pelo Peñarol,  e a competição deixou de ser realizada desde então, pode-se afirmar que o único campeão, ou melhor, o único supercampeão mundial do futebol é o Santos Futebol Clube.