Alex, o Zagueiro Artilheiro

Alex, o Zagueiro Artilheiro

Por Guilherme Guarche, do Centro de Memória

Natural de Niterói, Rio de Janeiro, Alex Rodrigo Dias da Costa, nasceu em uma quinta-feira, 17 de junho de 1982. Hoje o ex-zagueiro do Alvinegro, bicampeão brasileiro em 2002 e 2004, completa bem vividos 39 anos.

Alex é o zagueiro do Santos com mais gols marcados na centenária história do time das praias. Chute forte e o cabeceio preciso fizeram do aniversariante do dia, Alex Rodrigo Dias da Costa, atingir a marca de 20 gols marcados sendo que cinco deles em cobranças de faltas.

O zagueiro chegou ao Santos em 2001, vindo das equipes de base do Juventus da Moóca para atuar nas divisões inferiores do Alvinegro Praiano. Suas boas atuações nos treinamentos no CT Rei Pelé despertaram o interesse do técnico Émerson Leão.

Leão assumiu o time no início de 2002 e montou a equipe com vários jogadores da base. Alex, que estava para ser dispensado, foi um dos escolhidos. A situação financeira do clube não era das melhores para se pensar em grandes investimentos.

O Brasileiro de 2002 foi marcante em sua carreira

Sua estreia aos 20 anos, aconteceu numa quinta-feira, dia 25 de agosto de 2002, no empate diante do Fluminense, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro. A imprensa deu ao time santista naquele campeonato a denominação de “Meninos da Vila” a exemplo da geração de 1978.

Na partida em que estreou fez dupla na zaga que seria batizada de “Torres Gêmeas” (Alex, 1,88 m e 92 quilos; André Luis,1,92m e 86 quilos). O Santos jogou com Júlio Sérgio, Alex, André Luís e Preto; Elano (depois Maurinho), Paulo Almeida, Renato, Diego (Wellington) e Léo; Robinho e Alberto (William).

No primeiro Campeonato Brasileiro que deu ao Santos o seu sétimo título nacional, Alex jogou 25 partidas e marcou três gols. Alto e forte, Alex era um zagueiro ágil, que impressionava pela técnica. Jogava duro, sem ser violento, e poucas vezes recebeu o cartão amarelo.

Em 2003 jogou 60 partidas e marcou 15 gols, sagrando-se vice-campeão brasileiro e da Libertadores. Nos quatro meses em que atuou pelo Santos em 2004, antes de se transferir para a Europa, atuou em 18 partidas e marcou dois gols, ajudando o time a ganhar o seu oitavo título brasileiro.

Nos anos de 2002 e 2003 foi merecidamente eleito como o melhor do Brasil na sua posição, razão pela qual recebeu a Bola de Prata da revista Placar.

Enquanto esteve servindo ao Santos, ele foi convocado para defender a Seleção Brasileira Sub-23, atuando em 15 partidas e marcando dois gols. No Santos, lidera a artilharia histórica entre os zagueiros com 20 tentos, seguido por Edu Dracena e David Braz (17 gols) e Márcio Rossini (15).

Sua última apresentação vestindo a camisa do Santos foi em 2 de maio de 2004, na derrota por 1 a 3 diante do Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro. Ao todo ele disputou no período de 2002 e 2004, 103 partidas.

A equipe que ainda era comandada pelo vitorioso técnico Leão, jogou com Júlio Sérgio, Marco Aurélio (Lopes), Alex (Pereira), André Luís e Léo, Paulo Almeida, Daniel (Preto Casagrande), Renato e Diego; Robinho e Elano.

No Velho Mundo encantando os esportistas europeus

A seriedade que demonstrava dentro de campo despertou a atenção de clubes de fora do País e ele foi negociado com o Chelsea, da Inglaterra, em maio de 2004. Devido a problemas com o visto de trabalho acabou emprestado ao PSV Eindhoven, da Holanda, mas depois voltou ao time inglês.

Jogou ainda no Paris Saint-Germain, na França, e no Milan, da Itália, encerrando sua jornada europeia em 2016. Foi vitorioso em todas essas equipes, juntando títulos importantes ao seu currículo.

Voltou ao Brasil em 2016. Recuperando-se de uma contusão no joelho, ficou treinando no CT Rei Pelé e surgiu a possibilidade de retornar ao Santos. Porém, ele teria de passar por uma cirurgia e o tempo de retorno ao futebol demoraria por volta de nove meses. Então, aos 34 anos, Alex decidir se aposentar.

Assim como outros grandes craques da história santista, o eficiente zagueiro veio viver na cidade praiana, morando em frente ao mar, num vistoso prédio na praia do Gonzaga, no mesmo endereço de Renato, seu colega do time Bicampeão Brasileiro em 2002 e 2004