• O maior jogador de futebol do mundo foi Di Stefano. Eu me recuso a classificar Pelé como jogador. Ele está acima de tudo.
    Puskas, craque do escrete húngaro que dominou o futebol no início dos anos 50.
  • Se Pelé não tivesse nascido homem teria nascido bola, até a bola do jogo pedia autógrafo a Pelé
    Armando Nogueira, jornalista.
  • Posso ser um novo Di Stéfano, mas não posso ser um novo Pelé. Ele é o único que ultrapassa os limites da lógica.
    Johann Cruyff, comandante do Carrossel Holandês na Copa de 74.
  • Muito prazer, eu sou Jimmy Carter, você não precisa se apresentar. Pelé todo o mundo conhece.
    Jimmy Carter, ex-presidente dos Estados Unidos.
  • Maradona só será um novo Pelé quando ele ganhar 3 Copas do Mundo e marcar mais de mil gols.
    César Luis Menotti, ex-jogador do Santos e ex-técnico da Seleção Argentina.
  • Parecia um helicóptero em sua mágica capacidade de permanecer no ar o tempo que quisesse.
    Fachetti zagueiro italiano na Copa de 1970.
  • Se eu pudesse me chamaria Edson Arantes do Nascimento Bola. Seria a única maneira de agradecer o que ela fez por mim.
    Pelé Edson Arantes do Nascimento.
biografiaA Infância do Rei

Dico calça as chuteiras e sai para fazer o que mais gosta: jogar futebol. Em campo, o menino magrinho, de 11 anos, é dono de si e da bola. Ele dribla, cabeceia, empurra e mira no gol. Na ocasião, a pequena platéia da cidade de Bauru (interior de São Paulo) não fazia ideia que nascia ali Pelé, o maior atleta de todos os tempos. Mas foi nos gramados da Vila Belmiro que ele se tornou Rei.

“Eu sonhava em jogar como meu pai”, confidenciou Edson Arantes do Nascimento, mineiro da cidade de Três Corações, filho de Celeste e do conhecido jogador Dondinho. Edson teve uma surpresa, porque Pelé foi muito além. Superou seu próprio sonho e, até mesmo, a promessa de ganhar uma Copa do Mundo para seu pai. “Na final da Copa de 50, o Brasil perdeu para o Uruguai e meu pai ficou muito emocionado.Quando eu o vi em lágrimas, só pude pedir para que não chorasse porque eu iria ganhar uma Copa do Mundo para ele”, lembrou o Rei, que saiu campeão de três Copas do Mundo, colecionou mais de 50 títulos e 1.281 gols em sua gloriosa carreira.

Aos 11 anos, Pelé foi descoberto pelo jogador Waldemar de Brito que o convidou a fazer parte da equipe que estava organizando: o Clube Atlético de Bauru.

Quando o Atleta do Século XX, ainda aos quatro anos, mudou-se para São Paulo com sua família, Dondinho passou a atuar no Bauru Atlético Clube (BAC). Seguindo os passos maestrais de seu pai, Dico brilhou em equipes amadoras da região, como Ameriquinha e Baquinho, e sua intimidade com a bola o fez conquistar títulos de artilheiro e um novo apelido: Pelé.

Em pouco tempo, os pés daquele menino franzino e de uniformes folgados no corpo tomariam um novo rumo. Aos 11 anos, Pelé foi descoberto pelo jogador Waldemar de Brito que o convidou a fazer parte da equipe que estava organizando: o Clube Atlético de Bauru. Para selar compromisso com o destino, o mesmo jogador que o descobriu, o levaria, anos depois, para o Santos FC.

Leia Mais
biografiaO Jogador

Assim que Pelé (foto) chegou à Vila Belmiro, em oito de agosto de 1956, Waldermar de Brito avisou ao clube santista: “Esse menino vai ser o melhor jogador de futebol do mundo”. Não demorou muito para a profecia começar a se concretizar. Um mês depois de sua chegada ao alvinegro praiano, que já era um time bicampeão paulista, Pelé estreou na equipe principal. “Minha estréia foi em um torneio amistoso contra o Corinthians de Santo André. Entrei no segundo tempo, no lugar de Del Vecchio e fiz o sexto gol do placar de 7 a 1. Foi meu primeiro gol com a camisa do Santos”, contou.

Aos 16 anos, participou de um torneio de quatro equipes européias e brasileiras. O time em que atuou foi um combinado Santos e Vasco e, em uma das partidas, Pelé fez três belos gols. Daí em diante, o Brasil todo começou a enxergar o futuro Rei do Futebol.

Convocado para usar a camisa verde e amarela, em 1957, Pelé levou o país a conquistar o título de campeão da Copa Roca. “Foi meu primeiro título internacional e com a camisa da Seleção Brasileira”, lembrou. O sucesso continuou aos pés de Pelé durante a disputa do Campeonato Paulista de 57, do qual foi artilheiro. “Já no meu primeiro campeonato, fiz 36 gols. Para um garoto de 16 para 17 anos, essa é uma grande conquista”, declarou o dono da imortalizada Camisa 10.

Pelé conquista o mundo.

Pelé conquista o mundo Em menos de um ano, Pelé viu-se diante da grande oportunidade de concretizar a promessa que havia feito a seu pai: ganhar uma Copa do Mundo. Seu primeiro gol na Copa foi contra o País de Gales e classificou o Brasil para a semifinal. Na final da Copa de 58, a Seleção Brasileira conquistou seu primeiro título mundial depois de ter goleado a anfitiriã Suécia por 5 a 2.Pelé não agüentou e desmaiou em campo (na foto acima Pelé e amparado por Gilmar). “A emoção de participar de algo tão grandioso foi tão importante para mim que nem consigo expressar. Foi a primeira vez que fiz uma viagem para o Exterior e, ainda, realizei meu maior sonho. Com 17 anos, tornei-me o mais novo campeão do mundo. Além disso, levamos o nome do Brasil para fora e demos abertura para outros negros participarem da Copa, pois, até então, eu era o único “, declarou o Rei.

Após ter concretizado o que mais almejava, Pelé tinha mais duas metas: conquistar o Campeonato Paulista de 58 e o Torneio Rio-São Paulo pelo Santos Futebol Clube. Formado por jogadores como Coutinho, Zito, Pepe e o Rei, o time praiano mantinha-se imbatível e vivia sua melhor fase. Pelé (foto) foi o artilheiro do Paulista de 58 com o total de 58 gols, em 38 partidas, e o Santos conquistou o título.

A história repetiu-se em 1959 e o Peixe saiu vitorioso, pela primeira vez, no Torneio Rio-São Paulo. Entre os anos de 59 e 61, o Santos Futebol Clube conseguiu, com Pelé, conquistar 11 títulos internacionais. Reconhecida e respeitada internacionalmente, na década de 60, a equipe santista conquistou oito Campeonato Paulistas, e Pelé foi coroado como artilheiro em quase todos eles.

Nessa época, o Rei do Futebol recebeu diversos convites para atuar em times no Exterior, principalmente na Europa, mas rejeitou todos. Fiel ao Peixe, tinha outro objetivo em mente. “O Santos ainda não tinha título de campeão sul-americano e eu sonhava em dar esse título ao clube”, afirmou. Em 1962, mais uma meta atingida: o time foi campeão sul-americano, goleando a equipe uruguaia do Peñarol, que havia sido campeã em 60 e 61.

No mesmo ano, mais uma Copa do Mundo à vista e Pelé era o grande nome do momento. Devido à uma distensão, ele não pôde jogar na final, mas o elenco saiu vitorioso e bateu a Tchecoslováquia por 3 a 1, no Chile. O Brasil passou a ser Bicampeão Mundial. “Fiquei muito preocupado e muito chateado por não ter podido ajudar meus colegas. Mas, graças a Deus, o Brasil conseguiu seu segundo título e fiquei muito realizado”, afirmou Pelé.

Na Copa do Mundo seguinte, em 1966, a Seleção Brasileira viveu um pesadelo: foi eliminada logo na primeira fase. “Foi uma tristeza muito grande para mim, pois eu já era o Pelé e a cobrança era muito grande. Tanto, que eu pensei até em desistir de jogar”, afirmou Pelé.

Em 1970, o Brasil passava por uma das fases mais difíceis da história com a ditadura militar. Indiscutivelmente, Pelé (na foto comemorando gol com Tostão) na Copa era a esperança de dias melhores para os brasileiros. “Muitas pessoas me incentivaram a participar da Copa de 70. É claro que senti todo o peso da responsabilidade nas minhas costas, pois a seleção já vinha de uma derrota”, lembrou o Rei. Finalmente, o Brasil conquistou, definitivamente, a Taça Jules Rimet, vencendo a final contra a Itália, por 4 a 1, no México. “Foi a melhor fase de toda a minha carreira. Joguei em todas as partidas e finalizei minha participação nas Copas do Mundo extremamente realizado”, afirmou Pelé, único tricampeão do mundo e maior artilheiro em Copas Mundiais.

Aos 22 anos, o Rei já atingia a marca de 500 gols. À medida que o tempo ía passando e Pelé aproximava-se da marca dos mil gols, as pessoas vibravam. “Quando fui me aproximando do milésimo gol, todos fizeram questão de transformar isso em um grande tema”, afirmou Pelé. O tão esperado gol foi um pênalti fulminante, durante o jogo do Santos Futebol Clube contra o Vasco, no Maracanã, em 19 de novembro 1969. “Pela primeira vez, tremi. Nunca senti uma responsabilidade tão grande”, completou o Rei (na foto beijando a bola após marcar o miléssimo gol de sua carreira).

 

Leia Mais
biografiaA Despedida da Vila

Deixando pegadas de glória e saudade pelo Brasil, sua despedida oficial da Seleção foi em julho de 1971. Três anos depois, chegou a vez do Rei dar adeus ao Santos FC, em outubro, durante a partida contra a Ponte Preta. É uma das imagens mais marcantes de Pelé: ele está ajoelhado no meio do gramado do Estádio da Vila Belmiro, de braços abertos e com a bola parada no chão diante dele. Pelé, aos soluços, pede perdão (foto). É o fim de um casamento de 18 anos, seis meses e 26 dias.

Entretanto, a magia do futebol daquele homem que, com seus pés de ouro, fazia arte em campo, ficará imortalizada pelos gramados da Vila Belmiro e na memória daqueles que o assistiram. Porque quem é rei, nunca perde a majestade. Porque Pelé é eterno. “Sinto muita saudade daquela época, principalmente dos meus amigos de equipe. Realmente, isso me deixa muito emocionado”.

Deixando pegadas de glória e saudade pelo Brasil, sua despedida oficial da Seleção foi em julho de 1971. Três anos depois, chegou a vez do Rei dar adeus ao Santos FC, em outubro, durante a partida contra a Ponte Preta. É uma das imagens mais marcantes de Pelé: ele está ajoelhado no meio do gramado do Estádio da Vila Belmiro, de braços abertos e com a bola parada no chão diante dele. Pelé, aos soluços, pede perdão (foto). É o fim de um casamento de 18 anos, seis meses e 26 dias.

Entretanto, a magia do futebol daquele homem que, com seus pés de ouro, fazia arte em campo, ficará imortalizada pelos gramados da Vila Belmiro e na memória daqueles que o assistiram. Porque quem é rei, nunca perde a majestade. Porque Pelé é eterno. “Sinto muita saudade daquela época, principalmente dos meus amigos de equipe. Realmente, isso me deixa muito emocionado”.

Leia Mais
biografiaTítulos e Honrarias

• Atleta do Século
Anunciado pelo Comitê Olímpico Internacional, depois de votação entre os comitês olímpicos nacionais, em 1999. Detalhe: Pelé nunca participou de uma Olimpíada

•Profissional que Transformou o Futebol
Concedido pela revista Sports Illustrated, dos EUA, após consulta a jornalistas de diversos países (1999)

• Maior Futebolista do Século
Concedido pela UNICEF em Viena, na Áustria (1999)

• Atleta do Século
Concedido pela agência de notícias Reuters, da Inglaterra, após eleição com jornalistas de todo o mundo (1999)

• Título de Sir-Cavaleiro Honorário do Império Britânico
Concedido pela Rainha Elizabeth II (1997)

• Atleta do Século
Concedido pelo grupo DuPont, da França, após pesquisa mundial (1996)

• Dia Pelé
Instituído oficialmente pela prefeitura de Santos, comemorado em 19 de novembro, dia do milésimo gol (1995)

• Medalha dos Direitos Humanos
Concedida pela organização judaica B´nai B´rith por seu trabalho contra o preconceito racial (1995)

• Cruz da Ordem da República Húngara
Concedida pelo governo da Hungria, é a mais alta condecoração do país (1994)

• Embaixador para a Educação, Ciência e Cultura
Concedido pela Unesco em Paris (1994)

• Membro do Hall da Fama
Concedido pela cidade de Oneonta, Estado de Nova York, EUA (1993)

• Embaixador da Boa Vontade
Concedido pela Unesco (1993)

• Embaixador da Organização para Ecologia e Meio Ambiente
Concedido pela ONU (1992)

• Rua Pelé
Inaugurada em Montevidéu, no Uruguai, com a presença do presidente da República Luis Alberto Lacalle (1992)

• Ordem Nacional do Mérito
Concedida pelo governo brasileiro (1991)

• Praça Pelé
Inaugarada em Los Angeles, nos EUA (1984)

• Ordem do Mérito Desportivo Sul-Americano 
Concedida pela Conmebol em seu aniversário de 75 anos, em Assunção, no Paraguai (1984)

• Ordem da FIFA
Concedida pela FIFA em seu aniversário de 80 anos (1984)

• Prêmio aos Valores Humanos
Concedido pela prefeitura de Nova York (1983)

• Estátua na Índia
Inaugurada em Durgapur, Estado de Bengala (1983)

• Grande Marechal da Hispanidade
Concedido pelas associações hispânicas de Nova York, com direito a desfile em carro aberto pelas ruas (1981)

• Atleta do Século
Concedido pelo jornal francês L´Equipe, depois de eleições junto a jornalistas de todo o mundo. O anúncio foi no final de 1980 e o prêmio entregue em Paris no ano seguinte (1981)

• Comenda da Ordem dos Campeões
Concedido pela Organização da Juventude Católica, em Nova York (1978)

• Grã-Cruz do Mérito Desportivo 
Concedido pelo governo brasileiro (1977)

• Diploma de Mérito de Cidadão do Mundo 
Concedido pela Unicef em solenidade na sede da ONU, em Nova York (1977)

• Cidadão de Nova Jersey
Concedido pela prefeitura da cidade norte-americana. O prefeito oficializou o dia 1º de outubro como o Dia Pelé, para marcar a despedida do Rei do Futebol (1977)

• Cidadão Honorífico de Los Angeles
Concedido pela prefeitura da cidade norte-americana (1977)

• Cidadão de Bauru
Concedido pela Câmara de Vereadores da cidade (1975)

• Estádio Pelé
Inaugurado em Teerã, capital iraniana. O Deyhim Esporte Clube, time local, muda de nome para Pelé Esporte Clube (1971)

• Estátua Rei Pelé
Inaugurada em Três Corações, cidade natal de Pelé, com a presença do Rei e dos embaixadores da Suécia, do Chile e do México (1971)

• Prêmio da Academia Francesa de Esportes
Concedido pela primeira vez a um atleta de esportes coletivos (1971)

• Medalha Vermelha de Paris
Concedida pela prefeitura da capital francesa (1971)

• Bola de Prata
Concedida pela revista Placar, que lhe entregou o primeiro troféu para depois considerá-lo hours-concours da promoção anual (1970)

• Bola de Ouro
Concedida pela revista Placar, que lhe considera hours-concours da promoção anual (1983)

• Filho Predileto da Cidade de Guadalajara
Concedido pela prefeitura da cidade mexicana em (1970)

• Estádio Rei Pelé
Inaugurado em Maceió, Alagoas (1970)

• Comendador da Ordem do Rio Branco
Concedido pelo governo brasileiro após a marcação do milésimo gol (1969)

• Cavaleiro da Ordem do Rio Branco
Concedido pelo governo brasileiro (1967)

• Espada de Honra do Futebol
Concedida pelo Anuário do Futebol da Inglaterra. A espada foi confeccionada à mão pelos armeiros da Rainha. Foi o primeiro não-britânico a ser condecorado (1966)

• Cavaleiro da Legião de Honra da França
Concedido pelo governo francês (1963)

 

biografiaFora de Campo

pele-politico

Vida Política

Em 1992, Pelé começou a se envolver na política, ao apoiar a candidatura do advogado Vicente Cascione à Prefeitura de Santos. Cascione não foi eleito. Em 1995, a Prefeitura Municipal da Cidade de Santos instituiu o Dia Pelé, comemorado em 19 de novembro, mesmo dia do milésimo gol do Rei. Além disso, no primeiro governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Pelé (foto) foi ministro dos Esportes (1995 a 1998), quando fez a Lei Pelé que acabou com o passe no futebol nacional e revolucionou a prática desportiva no país.

pele-e-stallone

Pelé Ator

Pelé teve participações em algumas novelas da Rede Globo e em dez filmes devido a sua notariedade como ídolo público mundial e por ser um grande ator. O primeiro filme sobre Pelé foi Rei Pelé, de 1963, onde participou boa parte do elenco do Peixe como atores coadjuvantes, como Pepe e Zito. Em 1974, aliado a Globo Filmes, ao produtor Luis Carlos Barreto e ao Canal 100, Pelé fez o filme “Isto é Pelé” com 100 gols seus e suas participações em mundiais.

Volta ao Santos FC como dirigente

pele-treinador

Em 1994, Pelé voltou a atuar na vida política do Santos FC ao apoiar a gestão do presidente Miguel Kodja Neto. No mesmo ano, com a saída de Kodja Neto do clube, o Rei passou a integrar a diretoria do novo presidente, Samir Jorge Abdul Hak. Nesta diretoria, Pelé foi diretor para assuntos no exterior e coordenador das divisões de base (foto), onde trabalhou com a geração de Robinho e Diego durante um breve período. Pelé saiu da vida política do clube em 2000, mas continua com o cargo de conselheiro nato do egrégio Conselho Deliberativo.

 

 

 

pele-filme

Pelé já teve uma pequena experiência de ator no cinema estrangeiro. Em 1981, ele protagonizou Fuga para a Vitória, um curioso filme de John Huston em que prisioneiros de um campo de concentração alemão durante a Segunda Guerra Mundial formam um time de futebol. Além de Pelé, atores como Michael Caine e Sylvester Stallone atuaram no longa-metragem.

A história se passa na Segunda Guerra Mundial e narra um jogo de futebol entre oficiais nazistas e uma seleção de prisioneiros que tinha o inglês Bobby Moore e Pelé. Em 1989, fez junto com os Trapalhões, o filme Os Trapalhões e o Rei do Futebol. “Quando era mais novo, pensei em ser ator se a carreira de jogador de futebol não desse certo”, afirmou Pelé.

 

 

 

pele-eterno

Em 2004, veio a prova definitiva de que Pelé foi o maior futebolista de todos os tempos: o filme Pelé Eterno, do diretor brasileiro Anibal Massaini Neto. O documentário foi resultado de mais de 3 anos de pesquisas e preparação de material e é uma verdadeira aula de futebol. Anibal percorreu o mundo atrás de material inédito sobre Pelé – cinejornais, arquivos de emissoras de TV, acervos particulares – valia tudo que registrasse a carreira do Rei.

Pelé Eterno exibe 400 gols, 3 mil fotografias, 2100 narrações de gols, 150 depoimentos e ainda 1500 manchetes de jornais de diversos países. Dois dos mais famosos gols de Pelé foram recriados digitalmente, pelo fato de não terem sido encontradas imagens que os documentem. São o gol de placa feito contra o Fluminense, no Maracanã, em 1961, e o famoso “gol da Rua Javari”, considerado pelo próprio Pelé como sendo o mais bonito de sua carreira e tendo sido marcado no jogo Santos 2 x 1 Juventus, em 2 de agosto de 1959. Pelé Eterno é o primeiro filme brasileiro que recebeu o investimento da UIP, pela Lei do Audiovisual.

Pelé Cantor

Pelé sempre foi um apaixonado por música, compôs e gravou algumas músicas com nomes célebres da música brasileira, como Elis Regina e Roberto Carlos. Veja abaixo parte da letra de canções que Pelé gravou com astros da MPB:

pele-cantor

“Outro dia me pegaram de surpresa
Me deram um violão
E fizeram eu cantar
Eu todo desajeitado
Cantando tudo errado
Sem saber como parar
Foi um tremendo dum vexame
Mas o engraçado
É que eu cantava errado
E os puxa achavam bom
Estava o rádio, o jornal e a televisão
E eu todo sem graça
Só fazia laralá”
Pelé e Elis Regina, em “Vexamão”

“Não, não vá embora não
Porque a saudade vai ficar em seu lugar
Não me faça sofrer a sua ausência
Tenha paciência, não vá embora, não me deixes não
Quando você chegou, foi recebida de braços abertos
Jurava me dar amor, ser boazinha e não falar em ir embora
Agora, depois de tanto tempo
Quer partir sem dizer qual a razão
Não vá, meu bem, porque depois perdão não tem”
Pelé e Elis Regina, em “Perdão não tem”.

“Abêcê
Abêcê
Toda criança
Tem que ler e escrever”
Pelé e Paulo Renato de Souza, em “ABC”.

Leia Mais
biografiaA Familía real do Futebol

pele-infanciaPelé sempre dividiu os méritos de todas suas conquistas com seus familiares. Ele enaltece e agradece a educação que recebeu de Dona Celeste Arantes do Nascimento e João Ramos do Nascimento, o Dondinho (na foto com Pelé  e Edinho).

Além da educação, Pelé aprendeu com seu pai a ser um craque de futebol. Emérito cabeceador (chegou a marcar cinco gols de cabeça em uma vitória do seu time, o Yuracán, de Itajubá), Dondinho, que jogou no Bauru Atlético Clube, Atlético Mineiro entre outros clubes, passou muitos ensinamentos ao filho que foram fundamentais para a formação da carreira mais vitoriosa do futebol mundial.

pele-edinho

Em 1966, já consagrado como Rei do Futebol, Pelé casa-se com Rosemeri Cholbi. Eles se conheceram durante uma partida de vôlei, na Vila Belmiro. Um ano depois, ela dava a luz a Kelly Cristina, primeira filha de Pelé. Em 1970, nasce Édson Cholbi, que anos depois viria a se destacar como goleiro do Santos FC. Dono de uma excelente impulsão, Edinho – como é conhecido – chegou a ser vice-campeão brasileiro pelo Peixe, em 1995 (foto).

Em 1978, nasce Jennifer, sua última filha com Rose. No mesmo ano, o casamento termina. Pelé ainda tem mais duas filhas fora do seu casamento: Flávia Kurtz, reconhecida por ele em 1990, e Sandra Regina, reconhecida judicialmente em 1991.

Em 1994, Pelé casa-se com a psicóloga Assíria Lemos, com quem tem mais dois filhos, os gêmeos Joshua (na foto com o pai na inauguração do Complexo Modesto Roma do CT Rei Pelé) e Celeste. Em 1996, Pelé amarga a perda do seu pai e eterno mestre, Dondinho.

biografiaMarcas Conquistadas

Mais jovem artilheiro do Campeonato Paulista
1957 – Santos (fez 17 anos durante a competição)

Mais jovem Campeão Mundial
1958 – Brasil (17 anos)

Mais jovem Bicampeão Mundial
1962 – Brasil (21 anos)

Maior artilheiro em uma temporada
1959 – 127 gols

Maior artilheiro da história da Seleção Brasileira
95 gols

Maior artilheiro do futebol profissional
1.281 gols

Maior transação do futebol até o fim dos anos 70
1975 – Para o Cosmos (US$ 7 milhões)

fichaTécnica

Nome: Edson Arantes do Nascimento

Posição: meia-atacante

Filiação: João Ramos do Nascimento (Dondinho) e Celeste Arantes do Nascimento

Data e Local de Nascimento: 23/10/1940, em Três Corações (MG)- Brasil

Chuteira: 39

Estreia como profissional: Santos FC 7 X 1 Corinthians de Santo André

Jogos: 1.365 jogos

Gols: 1.281 gols

Jogos pelo Santos: 1.116 jogos

Gols pelo Santos: 1.091 gols

Jogos pela Seleção Brasileira: 114 jogos

Gols pela Seleção Brasileira: 95 gols

Clubes: Santos FC (1956 a 1974) e Cosmos (1975 a 1977)

TítulosEm 21 anos de carreira

• Campeonato Paulista
1958/60/61/62/64/65/67/68/69/73

• Torneio Rio-São Paulo
1959/63/64/66

• Taça Brasil/ Robertão
1961/62/63/64/65/68

• Taça Libertadores da América
1962/63

• Mundial Interclubes
1962/63

• Torneio Tereza Herrera
1959

• Torneio Pentagonal do México
1959

• Torneio de Valência
1959

• Torneio Dr. Mario Echandi
1959

• Torneio Giallorosso
1960

• Torneio Quadrangular de Lima
1960

• Torneio de Paris
1960/61

• Torneio Itália 61
1961

• Torneio Internacional da Costa Rica
1961

• Torneio Pentagonal de Guadalajara
1961

• Taça das Américas
1963

• Torneio Internacional da Venezuela
1965

• Torneio Hexagonal do Chile
1965/70

• Torneio Internacional de Nova York
1966

• Torneio Triangular de Florença
1967

• Recopa Sul-Americana
1968

• Recopa Mundial
1968

• Torneio Pentagonal de Buenos Aires
1968

• Torneio Octogonal do Chile
1968

• Torneio da Amazônia
1968

• Torneio de Kingston
1971

• Torneio Laudo Natel
1974

• Campeão Mundial de Seleções
1958 – Brasil
1962 – Brasil
1970 – Brasil

• Campeão da Copa Rocca
1957 – Brasil
1963 – Brasil

• Campeão Sul-Americano Militar
1959 – Seleção das Forças Armadas Brasileiras

• Campeão Brasileiro de Seleções
1959 – Seleção Paulista

• Campeão da Copa Oswaldo Cruz
1958 – Brasil
1962 – Brasil
1968 – Brasil

• Campeão da Copa Bernardo O´Higgins
1959 – Brasil

númerosDo Rei Pelé
  • 6.662 dias foi o período de Pelé como jogador do Santos Futebol Clube
  • 1.281 gols reconhecidos pela FIFA, a entidade máxima do futebol
  • 1.091 gols marcados por um único clube, o Santos Futebol Clube
  • 95 gols marcados com a camisa da Seleção Brasileira
  • 58 gols marcados em um único campeonato, o Paulista de 1958
  • 32 títulos conquistados na carreira, uma média de 1,5 por ano
  • 4 vezes artilheiro isolado do torneio Rio - São Paulo
  • 9 vezes consecutivas artilheiro do Campeonato Paulista
  • 14 jogos disputados em Copas do Mundo pela Seleção Brasileira
  • 50 gols no maior rival do Santos, o Corinthians entre 1957/1974
  • 7 milhões de dólares foi o valor pago pelo Cosmos para ter Pelé
  • 12 vitórias conquistadas pela Seleção em Copas do Mundo
  • 1 vez artilheiro do Mundial Interclubes com 3 gols, em 1962
  • 1 vez artilheiro da Taça Libertadores da América com 11 gols
  • 1 vez artilheiro do Campeonato Brasileiro das Forças Armadas
  • 1 vez artilheiro da Copa América com 8 gols, no ano de 1959
  • 2 vezes artilheiro da Taça Brasil, nos anos de 1961 e 1963
  • 65 gols marcados em 111 partidas disputadas pelo Cosmos NY
jogosRelação Completa
DataResultadoJogoVEDGols
07/09/1956Santos F.C7 X 1Corinthians de Santo André100Amistoso1
15/11/1956Santos F.C4 X 2Jabaquara100Amistoso1
12/01/1957Santos F.C1 X 0AIK (Suécia)100Amistoso
09/02/1957Santos F.C2 X 4Portuguesa de Desportos001Amistoso
17/02/1957Santos F.C5 X 0América de Joinville – SC100Amistoso
19/02/1957Santos F.C3 X 1América de Joinville – SC100Amistoso
12/03/1957Santos F.C2 X 3Grêmio RS001Amistoso
14/03/1957Santos F.C5 X 0Grêmio RS100Amistoso
17/03/1957Santos F.C5 X 3Riograndese100Amistoso
19/03/1957Santos F.C3 X 2Pelotas100Amistoso
22/03/1957Santos F.C2 X 2Brasil de Pelotas010Amistoso
24/03/1957Santos F.C1 X 1Seleção Bagé/Guarani de Bagé RS010Amistoso1
27/03/1957Santos F.C3 X 5Renner Porto Alegre001Amistoso
07/04/1957Santos F.C4 X 2Vasco da Gama100Amistoso
11/04/1957Santos F.C5 X 3Corinthians Paulista100Amistoso 1