Um capitão de respeito no time dos Meninos da Vila

Um capitão de respeito no time dos Meninos da Vila

Por Guilherme Guarche do Centro de Memória

Foi na pequena e simpática Altair, localizada no noroeste do estado de São Paulo, que veio ao mundo o garoto João Rosa de Souza Filho, em uma quinta-feira, dia 4 de março de 1956. Tornou-se conhecido como Joãozinho e ganhou esse diminutivo em seu nome ainda quando era bem jovem e dava os primeiros passos no futebol atuando na equipe da Associação Atlética de Altair.

Seu irmão Bezerra, que fez sucesso jogando no São Paulo, foi quem conseguiu com a diretoria do Guarani, autorização para que ele fizesse testes no Bugre Campineiro e foi lá que ele assinou seu primeiro contrato como atleta profissional, e não demorou muito para que o jovem Joãozinho assumisse a condição de zagueiro titular na equipe campineira.

O futebol vistoso e eficiente chamou a atenção do técnico Elba de Pádua Lima, o Tim, na época treinador do time baiano do Vitória, que propôs ao Guarani a troca entre Joãozinho e o atacante André, ídolo da torcida do Rubro-Negro baiano.

Sua chegada ao time da boa terra foi muito questionada pela torcida do time baiano que tinha um carinho pelo craque André. No entanto, as boas atuações de Joãozinho na zaga do time do Vitória fizeram com que o craque de Altair se tornasse um novo ídolo da galera baiana que passou a ver no esforçado zagueiro um jovem de futuro promissor no futebol brasileiro.

Na Vila Belmiro fazendo sucesso num time inesquecível

Aos 21 anos, em junho de 1977, Joãozinho foi contratado pelo Santos devido a fama de ser um zagueiro que fazia muitos gols. O Peixe, que tinha em sua presidência Modesto Roma, vivia uma má fase financeira em sua história, provocando protestos por parte dos torcedores que queriam um time mais competitivo e que demonstrasse amor à camisa.

O jovem zagueiro fez sua estreia no dia 12 de junho de 1977, em partida válida pelo Campeonato Paulista, no empate diante do Palmeiras pelo placar de 1 a 1, no Estádio do Morumbi, perante um publico de 24 318 espectadores que viram o desconhecido Calu marcar aos 10 minutos do primeiro o tento santista que escalado por Oto Glória formou nesse dia com Willians, Zé Maria, Joãozinho (Bianque), Marçal e Otávio; Carlos Roberto e Aílton Lira; Silva, Calu e Bozó (Nílton Batata).

Vários desses jogadores que atuaram nessa partida seriam consagrados na equipe que no Campeonato Paulista do ano seguinte teria o reconhecimento da imprensa esportiva e receberia o nome “Meninos da Vila”, pois vários jovens se juntaram ao time comandado por Chico Formiga e ganharia o campeonato de 1978 que terminou somente em junho de 1979.

Nessa equipe dos “Meninos da Vila”, Joãozinho, o grande expoente da forte defensiva praiana ao lado do quarto-zagueiro Neto, dava tranquilidade ao time que jogava no chamado embalo da época do futebol “Discoteque” nos marcantes embalos de “Sábado à noite”.

A última vez em que Joãozinho formou na zaga do Peixe foi no dia 29 de maio de 1983, na partida que decidiu o título de Campeão do Brasileiro, na derrota diante do Flamengo pelo placar de 3 a 0, no Estádio do Maracanã, que deu ao Santos o Vice-Campeonato Brasileiro perante um público recorde até hoje de 155 523 espectadores.

Nesse jogo derradeiro do grande capitão Joãozinho, o Alvinegro Praiano dirigido por Francisco Ferreira de Aguiar, o Chico Formiga, foi a campo com Marolla, Toninho Oliveira, Joãozinho, Toninho Carlos e Gilberto Sorriso; Toninho Silva (Serginho Dourado), Pita e Paulo Isidoro, Camargo (Batistote), Serginho Chulapa e João Paulo.

Entre os anos de 1977 e 1983, Joãozinho jogou pelo Campeão da Técnica e Disciplina 299 partidas, marcando 14 gols, o que o torna o quarto zagueiro artilheiro ao lado de André Luiz, ficando atrás de Márcio Rossini, com 15 gols e David Braz e Edu Dracena, ambos com 17gols e Alex que lidera essa artilharia defensiva com 20 gols.

Como técnico revelou o ídolo Giovanni

Depois que deixou a Vila deu prosseguimento a sua carreira jogando no Sport do Recife e também atuou no Paulista de Jundiaí nos anos de 1985 e 1986.

Em 1994 aceitou o convite da diretoria do Peixe que tinha em sua presidência Samir Jorge Abdul Hack e substituiu Serginho Chulapa treinando a equipe santista no período de 20 de novembro de 1994 até 26 de agosto de 1995. Em seu posto assumiu Cabralzinho.

Foram 51 partidas no comando o time da Vila Belmiro, com 21 vitórias 18 empates e 12 derrotas. Nessa época despontou para o futebol não só brasileiro como mundial, o jovem paraense Giovanni que muitas alegrias daria ao torcedor do Peixe, principalmente no Brasileiro de 1995.

Jogos e gols de Joãozinho no Santos:

1977 – 22 jogos e 01 gol; 1978 – 54 jogos e 04 gols – 1979 47 jogos e 01 gol – 1980 58 jogos e 03 gols – 1981 48 jogos e 03 gols – 1982 54 jogos e 02 gols e 1983 16 jogos e nenhum gol.

João Rosa de Souza Filho, o sempre querido Joãozinho, adotou a cidade de Santos e nela passou a residir depois que largou o futebol. Ele é sempre visto caminhando pela orla praiana ao lado de sua esposa e também proseando com os amigos e veteranos craques do Santos em uma conhecida padaria do canal cinco no bairro da Aparecida.

Parabéns Joãozinho que hoje com muita saúde completa bem vividos 65 anos!