Gradim, o “Amélia”, marca o gol 2000 do Santos

Gradim, o “Amélia”, marca o gol 2000 do Santos

Por Guilherme Guarche do Centro de Memória

Há exatas oito décadas e dois anos, Salvador, a primeira capital do Brasil, recebeu o time do Santos em sua mini excursão pelo Nordeste brasileiro que lá se defrontou com o Esporte Clube Ypiranga local. Nesse dia, 30 de abril de 1939, um domingo, o Peixe venceu pelo placar de 3 a 0.

Nessa vitória santista, o jogador Gradim, que tinha o curioso apelido de “Amélia”, marcou o gol de número 2 000 da história do Alvinegro Praiano. O Estádio da Graça, na capital baiana, viu o Peixe formar com Cyro, Neves e Vanderlino; Figueira, Gradim e Artigas (Laurindo); Saci (Zé Carlos), Moran, Raul, Remo e Ruy. Técnico Isaac Goldenberg.

Nessa partida amistosa, além de Gradim, marcaram também Raul Cabral Guedes e Rui Gomide,  garantindo ao Alvinegro Praiano a taça “Cia Cervejaria Brahma” ofertada pelo clube anfitrião. Esse jogo foi o de nº 698 na centenária história do time da Vila Belmiro.

O gol de nº 2 000, o segundo na vitória, foi assinalado por meio de cobrança de pênalti. Adhemar de Oliveira, o Gradim, tinha o apelido de “Amélia”, pois não sabia dizer não ao técnico que o escalava em posições variadas na equipe santista. Ele foi o primeiro “coringa” do time de Vila Belmiro.

Após o término do jogo ocorreu um sururu de graves consequências, culminando com a morte de um soldado do Exército. Um zagueiro do time amarelo e preto com o sugestivo apelido de “Incêndio” provocou a confusão ao agredir o árbitro Sanches Dias e, expulso, se recusou a sair de campo.

A primeira santa brasileira e Jorge Amado eram torcedores fanáticos do Ypiranga

Maria Rita de Souza Brito Lopes, agora Santa Dulce dos Pobres, a primeira santa brasileira, era apaixonada pelo clube amarelo e preto, as cores do Ypiranga, time do escritor baiano Jorge Amado. Fundado em 1906 o soteropolitano era o maior rival do Bahia. Hoje o clube está disputando a segunda divisão e encontra-se há três temporadas licenciado do torneio.

Nesse giro pelo Nordeste Brasileiro, o Alvinegro mais famoso do mundo disputou cinco partidas vencendo duas, empatando outras duas e perdendo uma partida. Todas disputadas no Estádio Arthur Morais, o Estádio da Graça, inaugurado em 1920 e demolido em 1970.

Gradim jogou 271 partidas com a camisa do Santos, marcando 95 gols, no período de 1936 a 1944. O termo “Amélia” refere-se ao nome de um clássico do samba, sucesso dos anos de 1940, composto por Mário Lago e Ataulfo Alves, intitulado de “Ai! que saudade da Amélia”.