Cejas, o grande goleiro argentino

Cejas, o grande goleiro argentino

Por Guilherme Guarche do Centro de Memória

Em uma sexta-feira, 22 de março de 1945, nascia em Buenos Aires um dos maiores goleiros da história do Santos, Agustin Mário Cejas! Contratado em 1970 junto ao Racing, logo após a aposentadoria de Gylmar e Laércio e a contusão de Cláudio, Cejas chegou com uma grande responsabilidade e correspondeu a todas as expectativas.

Sua estreia ocorreu no dia 27 de setembro de 1970, diante do timaço do Cruzeiro Mineiro em partida do Campeonato Brasileiro que ficou conhecida como “O jogo dos deuses” no Estádio do Mineirão em Belo Horizonte que terminou empatada em 1 a 1 com Nenê Belarmino marcando o tento santista. Na estreia do goleiro portenho o Alvinegro da Vila Mais Famosa do Mundo formou com: Cejas; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Djalma Dias e Turcão; Clodoaldo e Lima; Manoel Maria, Douglas (Picolé), Nenê e Abel (Léo Oliveira). O técnico era Antônio Fernandes, o Antoninho.

O principal título conquistado por Cejas foi o Campeonato Paulista de 1973 quando defendeu na partida final contra a Portuguesa de Desportos duas penalidades máximas partida essa que por erro de Armando Marques, o Peixe teve que dividir o título com a Lusa. Além desse título, ele conquistou também o Torneio Quadrangular de Kingston na Jamaica e a Fita Azul do Futebol Brasileiro. Quando deixou o Peixe foi jogar no Huracan da Argentina. Cejas, nasceu em Buenos Aires no dia 22 de março de 1945 e lá faleceu no dia 14 de agosto de 2015.

Curiosidade

Em 1973 ganhou a Bola de Ouro da Revista Placar por ter sido escolhido como o melhor goleiro daquele ano. Além de Cejas, os outros goleiros estrangeiros que defenderam o arco praiano foram: o primeiro goleiro na história foi o francês Julien Fauvel, a seguir os argentinos, Capuano e Ricardo, o sueco Agne, o colombiano Henao, o tcheco Peter, o chileno Tápia, o espanhol Talladas, o uruguaio Rodolfo Rodriguez e o romeno José Lengyl.