Técnico Dorival Júnior concede sua primeira entrevista coletiva em 2017

Técnico Dorival Júnior concede sua primeira entrevista coletiva em 2017

Dorival Júnior concedeu sua primeira entrevista coletiva na temporada 2017 na manhã de quinta-feira (12), na sala de coletivas Júlio Pereira, da sala de imprensa Peirão de Castro, no Centro de Treinamento Rei Pelé, em Santos (SP). Técnico do Santos Futebol Clube há 18 meses, um dos profissionais do Brasil há mais tempo no cargo, ele conversou com os jornalistas de televisão, rádio, internet e jornal por quase 30 minutos.

O comantante falou sobre os reforços contratados pela diretoria do Alvinegro Praiano (meia-atacante Vladimir Hernández, lateral-direito Matheus Ribeiro, zagueiro Cléber, volante Leandro Donizete e atacante Kayke); sobre o retorno do atacante Thiago Ribeiro após duas temporadas emprestado; estilo de jogo e possíveis mudanças na forma de atuar; favoritismo do Santos FC na temporada; ausência do artilheiro Ricardo Oliveira na reapresentação, que se recupera de caxumba; 38 jogadores no atual elenco; permanência no Peixe após propostas; e Libertadores da América.

O Santos FC se reapresentou para o início da pré-temporada 2017 na quarta-feira (11), após um mês de férias. Nos dois primeiros dias, a comissão técnica realizou avaliações clínicas e cardiológicas (no H-Cor, em São Paulo) e fisiológicas. A partir de sexta-feira (13), com os resultados obtidos, Dorival Júnior e o preparador físico Celso de Rezende iniciam com os trabalhos de condicionamento físico. Na próxima semana estão previstos os primeiros treinos técnicos e táticos.

Chegada de reforços, reapresentação e expectativa para 2017
“Acho que, de um modo geral, foram contratações pontuais e importantes para um acréscimo nas qualidades de um grupo que já é bom e que vem em um processo de evolução e amadurecimento. Espero que os jogadores que chegaram, que se sintam confortáveis rapidamente e que se adaptem à nossa maneira de trabalhar, para que tenhamos, o quanto antes, todos os atletas em condições e brigando pelas posições. Acho que, isso sim, é um fato importante. E fico feliz de, já no primeiro dia de trabalho, termos quase que todo o elenco se reapresentando, com exceção do Ricardo (Oliveira), que teve um problema, mas a grande maioria já começando um processo de preparação fundamental para que tenhamos um grande ano”.

Retorno de Thiago Ribeiro após empréstimo
“Acho que é um jogador que, em todas as equipes em que passou, sempre foi uma peça importante pelo seu posicionamento tático, por cumprir funções, por ser também um atacante agressivo. Acho que todo atleta passa por um momento um pouco instável na própria carreira, mas ele tem capacidade, qualidade e condições de poder alcançar aqui uma boa recuperação e eu confio muito que isso vai acontecer”.

Mudança no estilo de jogo e entrosamento da equipe
“Não vai ser uma mudança direta, nós não vamos fazer com que este tipo de situação seja aproveitada desde o início das competições. Acho que você tem que criar possibilidades e, sua equipe melhorando o seu poderio ofensivo e defensivo, trabalhar novas opções e novas possibilidades. E justamente por isso as características dos novos jogadores que chegaram, todos eles com muita mobilidade, movimentação e boa troca de passes. É o que nós queremos, que a equipe ganhe ao longo deste ano, não necessariamente uma mudança na postura, mas eventualmente dentro de uma partida você usar uma nova condição, uma nova situação tanto de ataque quanto de defesa. Acho que isso se faz necessário. Você coloca os jogadores, dependendo da aceitação, da assimilação dos atletas, é natural que você desenvolva, ao contrário não, você volta fazendo aquilo que basicamente vinha dando certo e vinha sendo importante até então”.

Favoritismo do Santos FC em 2017 pelo elenco mantido em relação aos adversários que estão se remontando
“De maneira nenhuma. Vamos voltar um pouquinho atrás. Em 2015, quando o Santos FC teve um desmanche quase que completo e, de repente, uma reposição. Em janeiro os jogadores chegaram, buscaram um encaixe, se abraçaram e conquistaram o Campeonato Paulista de 2015. Não há vantagem nenhuma. Será um campeonato, talvez, muito mais disputado que no ano anterior, podem ter certeza disso. As equipes do Interior já vem se preparando com um período de antecedência e isso vai dificultar ainda mais. Vocês podem ter certeza que nós teremos muitas novidades ao longo do campeonato, e as equipes grandes que abram os olhos porque fatalmente terão muitos problemas ao longo da competição. Podem contar com isso”.

Possibilidade de grandes conquistas já que diretoria mantém desde 2015 mesmo técnico, maioria dos principais jogadores e investiu na estrutura
“Acho que, na teoria, são detalhes importantes que possam vir a somar ao longo da temporada. Na prática as coisas são um pouco diferentes. Naturalmente que teremos dificuldades ao longo de todo esse período, a maneira como nós vamos administrar este processo será o grande desafio de todos nós. E com isso a participação de todo o grupo de um modo geral, para que tenhamos todos estes detalhes favoráveis em algum momento do ano que venham a surtir resultados, a gerar resultados em razão de serem realmente fatos importantes e que, se somados e, acima de tudo, respeitados, a tendência é que realmente alcancem resultados. Acho que a equipe está vindo em um processo de crescimento, está amadurecendo a cada momento, a gente sente isso. O próprio retorno deste grupo, com muito mais confiança que há 12 meses, quando estávamos nos reapresentando em janeiro de 2015. Por isso acho que a tendência será um crescimento natural e boas perspectivas. Eu confio muito e acredito muito que o Santos FC esteja muito próximo do alcance de resultados imporantes. Eu espero que venham acontecer o quanto antes, até pela forma como está sendo conduzido todo este trabalho”.

Se a ausência do Ricardo Oliveira na reapresentação, recuperando de caxumba, pode prejudica o próprio jogador no início do Campeonato Paulista
“O Ricardo surpreende todo mundo, vocês sabem muito bem disso. Ele vinha trabalhando anterior até a própria constatação do problema, e eu ainda acredito que ele esteja na abertura do Campeonato Paulista. Conhecendo o Ricardo da maneira que nós conhecemos e sabendo da própria estrutura física dele, nós não temos dúvidas que ele estará em condições. Mas eu conto muito com o Rodrigão e com o Kayke também brigando e colocando pressão nesta posição que hoje é do Ricardo”.

38 jogadores no elenco para a pré-temporada 2017 (contando Gustavo Henrique e Luiz Felipe, que só retornam no 2º semestre)
“Acho que nós precisamos de um número considerável ao longo do ano. Naturalmente que o Campeonato Paulista não nos possibilita, temos um grupo com esse número de atletas, até pelas inscrições que temos que optar. Ainda não tenho um número definido, um ou outro jogador deve sair, para que busque uma condição de jogo necessária neste instante e espero que aproveitem muito bem tudo isso, porém tudo vai acontecer de uma maneira muito natural, muito tranquila, e sempre respeitando, e muito, os profissionais que aqui estão”.

Propostas de outros clubes
“Tenho um compromisso com o Santos FC e sempre vou respeitar meus compromissos. Independente do momento em que eu esteja no clube, da situação que estejamos passando, eu sempre vou procurar respeitar tudo isso e, naturalmente, tentar finalizar esse trabalho no Santos FC. Acredito que as coisas estejam acontecendo de uma maneira muito tranquila. A equipe vem em uma evolução muito boa, vocês têm acompanhado tudo isso, os trabalhos desenvolvidos e a cada momentos gerando uma nova condição aos atletas. Os jogadores sentem isso, nós também nos sentimos a todo momento desafiados a tentarmos colocar um fato novo, gerando uma nova condição à equipe, aos atletas, sempre buscando um novo desafio. Acho que isso tudo tem feito com que a equipe incorpore um espírito vencedor. A equipe do Santos FC voltou a encontrar um respeito de todos os seus adversários, brigando sempre pelas principais colocações das competições que têm disputado. Acho que era esse o primeiro momento que gostaríamos que acontecesse com o clube. A partir de agora nos preparando para que daqui a pouco alcancemos um salto ainda maior e busquemos uma grande competição”.

Disputar Campeonato Paulista e Libertadores simultaneamente
“Primeiro, foi um pedido que fizemos a Federação Paulista de Futebol, que abrisse a possibilidade de termos um número maior de jogadores inscritos. Por que? Porque teremos uma condição paralela ao longo de todo período. Então é muito difícil hoje você ter, por exemplo, 30, 32 elementos dentro de um grupo. Só poder inscrever 28 no Campeonato Paulista, isso já cria uma animosidade dentro do próprio elenco, e um elenco que é necessário, não é você estar inchando um grupo de trabalho, ao contrário, pela dificuldade das competições, por termos jogos importantes em espaços curtos, não alcançando a recuperação de uma partida para outra, fatalmente nós precisaremos estar com um elenco um pouco maior em relação a anos anteriores. A primeira partida da Libertadores, só para vocês terem uma ideia, nós jogaremos uma quinta, em Lima (Peru), e de repente nós teremos que estar aqui no domingo para o Paulista. O intervalo entre uma e outra partida, a dificuldade de recuperação, viajando de madrugada, como acontece com todas as equipes que jogam a Libertadores. Situações muito difíceis, por isso tentamos um pedido a FPF para que acontecesse, mas não foi aceito. A regra está definida. Então nós precisaremos de um grupo um pouco maior, vamos ter que manter esses jogadores ao longo desse período, alguns deles não jogando o Campeonato Paulista, porém estando dentro do nosso grupo, isso já estamos passando antecipadamente porque é um fato que teremos que conviver.

Sobre o grupo do Santos FC na Libertadores
“Acho que é um grupo dificílimo. O campeão peruano, o vice-campeão colombiano, que é uma equipe de altíssimo nível, que jogou os jogos finais contra o Atlético Nacional, que é muito qualificada, uma equipe muito bem formada, muito bem montada. E agora um terceiro adversário que nós estaremos no aguardo, que fatalmente será também complicado. É um grupo muito difícil, não será um grupo simples e teremos que estar muito atentos para que passemos deste primeiro momento, até porque o nível de exigência será muito alto”.