Memória: morria o artilheiro Feitiço

Memória: morria o artilheiro Feitiço

No dia 23 de agosto de 1985, morria em São Paulo, o artilheiro Feitiço, ao lado dos amigos na Sede do Clube dos Veteranos Paulistas, aos 83 anos de vida, depois de viver uma existência com muita intensidade no mundo do futebol. Seu nome era Luis Macedo e o apelido foi dado por uma vizinha de nome Helena que ao vê-lo jogar na rua perto de sua casa afirmou: “Ai, o Luizinho quando joga parece que tem um feitiço nos pés”.

O artilheiro que veio para o Santos FC trazido pelo sócio-fundador Antônio de Araújo Cunha, atuando em 151 partidas e marcando 214 gols no período de 1927 a 1932, e retornando no ano de 1936. Formando no “Ataque dos 100 gols” ao lado de Omar, Camarão, Araken e Evangelista. Feitiço foi artilheiro máximo no campeonato paulista nos anos de: 1923/24 e 25 pela equipe do São Bento no Santos foi o artilheiro nos anos de 1929, 1930 e 1931.

A estreia do ídolo santista foi no dia 03 de abril de 1927 na vitória santista por 3 a 2 diante do Palestra Itália com um gol dele e os outros de Araken e Camarão formando com: Ballio; David e Américo Ratto; Alfredo, Júlio e Hugo; Evangelista, Camarão, Feitiço, Araken e Siriri. O responsável pela formação do time era Urbano Caldeira.

Curiosidade

No dia 13 de novembro de 1927 quando Feitiço jogava pela Seleção Paulista contra a Seleção Carioca, no estádio de São Januário, o placar do jogo era de 1 a 1 e o árbitro marcou pênalti contra os paulistas e o craque representante do Alvinegro Praiano não deixou que a penalidade fosse cobrada causando uma enorme confusão paralisando a partida até que o ajudante de ordens do presidente da República, Washington Luís entrou no gramado falando: “O excelentíssimo presidente da República solicita aos paulistas que deixem a Seleção Carioca bater o pênalti”. E Feitiço, o artilheiro do gols de bico muito irritado, ao lado do também goleiro do Santos, Tuffy Neugem falou em alto e bom som para que todos ouvissem: “Pois diga ao excelentíssimo senhor presidente que ele manda no Palácio do Catete, mas quem manda aqui no campo somos nós”, o assessor levou as palavras ditas pelo craque ao presidente, que surpreendentemente deixou o estádio. Feitiço foi punido pelo Santos sendo suspenso do clube e o goleiro Tuffy foi eliminado da Vila Belmiro pelo presidente Guilherme Gonçalves.

Guilherme Guarche – Coordenador do Centro de Memória e Estatística