Memória: Gilmar fazia a estreia com a camisa do Santos FC

Memória: Gilmar fazia a estreia com a camisa do Santos FC

No dia 07 de janeiro de 1962 estreava no arco santista, aquele que é tido até hoje como o melhor goleiro que o Santos FC teve em toda sua secular história: Gilmar dos Santos Neves, apelidado de Girafa. A primeira participação na meta praiana foi na goleada imposta ao Barcelona de Guayaquil em partida amistosa disputada no Equador por 6a 2 com Coutinho marcando 04 gols, Zito e Pepe um gol cada com o Peixe formando com: Laércio (Gilmar), Olavo e Décio Brito; Lima, Calvet (Formiga) e Zito (Getúlio); Dorval, Tite (Mengálvio), Coutinho, Pelé (Pagão) e Pepe (Tite). O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula.

Gilmar defendeu o Peixe em 331 partidas e é o 4º goleiro que mais vezes defendeu a meta do clube, no período de 1962 a 1969 na chamada época de ouro do time santista os goleiros que com ele se revezaram na meta santista foram: Laércio, Silas, Cláudio e Aguinaldo. Suas conquistas mais importantes no Peixe foram:

Campeão Mundial (1962/1963), Campeão Sul-Americano (1962/1963), Campeão Brasileiro (1962/1963/1964/1965/1968), Campeão Torneio Rio-São Paulo (1963/1964/1966), Campeão Paulista (1962/1964/1965/1967/1968), Campeão Recopa Sul-Americana (1968) e Campeão Recopa Mundial (1968).

Sua última participação na meta do Peixe foi no dia 05 de outubro de 1969 na derrota diante do Cruzeiro por 3 a 2 no Torneio Roberto Gomes Pedrosa no Morumbi com Edu e Douglas marcando para o Santos que formou na despedida do goleiro com: Gilmar; Lima, Djalma Dias, Joel Camargo e Turcão; Clodoaldo e Nenê (Negreiros); Manoel Maria, Douglas, Edu e Abel (Coutinho). O técnico era Antônio Fernandes, o Antoninho. Com a camisa do Peixe, Gilmar defendeu a Seleção Brasileira em 38 partidas.

Curiosidade

O arqueiro nascido no bairro do Macuco em Santos no dia 22 de agosto de 1930 iniciou sua carreira defendendo as cores do Jabaquara AC sendo negociado com um clube da capital paulista que na verdade queria o meio-campista Ciciá mas o “Jabuca” só aceitou fazer a negociação se o goleiro Gilmar fosse incluído na transação o que de fato acabou acontecendo.

Guilherme Guarche. – Coordenador do Centro de Memória e Estatística