Memória: Falecia Cláudio, um dos grandes goleiros da história do Santos FC

Memória: Falecia Cláudio, um dos grandes goleiros da história do Santos FC

No dia 24 de julho de 1979, falecia em Nova York, um dos melhores goleiros que vestiu a camisa do Santos FC em toda a sua centenária história: Cláudio César de Aguiar Mauriz. O excepcional goleiro nasceu na cidade do Rio de Janeiro no dia 22 de agosto 1940. Sua primeira partida na meta santista aconteceu no dia 10 de março de 1965 no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, no Pacaembu na vitória do Peixe pelo placar de 4 a 1 diante da Portuguesa de Desportos com gols de Coutinho (3) e Peixinho formando o time praiano com: Cláudio, Olavo e Geraldino; Ismael, Joel Camargo e Lima; Peixinho, Mengálvio, Coutinho (Almir), Pelé e Noriva. O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula.

Cláudio era um goleiro de baixa estatura, porém muito arrojado e seguro. Suas qualidades sempre foram destacadas pelos companheiros de equipe que nele depositavam total confiança. Cláudio foi contratado para substituir o não menos excelente guardião, Gilmar dos Santos Neves.

A última vez em que defendeu o arco santista foi no dia 19 de junho de 1973 na goleada santista diante do Baltimore Bays nos Estados Unidos pelo placar de 4 a 0, com Pelé e Euzébio marcando cada um dois gols, o time que era comandado pelo técnico José Macia formou com: Cláudio (Pelé); Vicente, Marinho, Marçal (Turcão), Zé Carlos; Léo Oliveira e Pitico; Jair da Costa (Adílson), Euzébio, Pelé (Nelsi) e Ferreira. Nessa jogo derradeiro do inesquecível goleiro, ele foi substituído pelo Rei Pelé, por ter se contundido durante a partida.

Curiosidade

Cláudio Mauriz jogou no Alvinegro 223 partidas durante os anos de 1965 a 1969 e depois de 1972 a 1973. Conquistou os títulos de Campeão do Torneio Rio-São Paulo em 1966, Tricampeão Paulista nos anos de 1967/68/69 e foi Campeão da Recopa Sulamericana e Mundial em 1968. Quando deixou a meta santista foi substituído pelo goleiro argentino também de excepcional qualidade de nome Cejas. Na Seleção Brasileira jogou 7 partidas nos anos de 1968/69.

Guilherme Guarche – Coordenador do Centro de Memória e Estatística