Memória: A segunda participação do Santos FC em jogos do Campeonato Paulista

Memória: A segunda participação do Santos FC em jogos do Campeonato Paulista

A segunda participação do time do Santos FC, em jogos do Campeonato Paulista, ocorreu no dia 22 de junho de 1913 e foi uma goleada pelo placar de 6 a 3 diante do Corinthians, no campo do Parque da Cia. Antártica Paulista, que anos mais tarde passaria a se chamar Parque Antártica, com gols de Millon (2), Arnaldo Silveira (2) e Ambrósio e Ricardo com um tento cada formando o já Alvinegro da Villa Macuco com: Damasceno; Arantes e Sidney; José Pereira da Silva, Ambrósio Silva e Ricardo Pinto de Oliveira; Millon, Nilo, Urbano Caldeira, Haroldo Cross e Arnaldo Silveira.

Nesse primeiro ano em que disputou o certame bandeirante o time santista disputou apenas 4 partidas e desistiu da competição pois devido as despesas elevadas das viagens de trem à capital paulista que estavam onerando em muito os minguados cofres do clube que ainda engatinhava e sua única fonte de arrecadação era oriunda das mensalidades pagas pelos poucos associados que o clube possuía no seu segundo ano de existência. Nesse campeonato que era promovido pela Liga Paulista de Futebol, o clube jogou 4 partidas tendo perdido 3 e vencido a partida contra o arquirrival da capital.

Quem escalava e treinava o time era Urbano Caldeira, que num momento de inspiração escreveu o texto abaixo que reproduzimos a seguir e que consta em ata arquivada no clube:

“Devido ao insucesso do primeiro match, fiz algumas alterações no team, que penso terem dado resultado; a supressão do goal-keeper; pondo um half no in-side-left da linha de forwards; collocando o in-side-right em out-side-right; fazendo um dos backs jogar half-back-right; e, aproveitando para half-back dois elementos do segundo team de onde veio também o goal keeper. Com essas modificações notei logo no começo do jogo que as forças estavam mais equilibradas e devido a uns trainnings que fiz antes e principalmente pelo excellente jogo dos passes desenvolvido pelos forwards e pela esplendida combinação geral – auxiliada muito fortemente pelos halves dos quais destaco o center-half que jogou magistralmente, sendo a meu ver a alma do team – penso que foi o que contribuiu para a esplendida victoria do dia, sendo que o sucesso foi muito bem recebido em S. Paulo, tendo conseguido desfazer a má impressão do primeiro match. Não ha nada como um grande perigo para reunir dois contendores – o joguinho pernicioso de driblings (apezar de um forward ter feito muito “bonito”) foi abandonado e a segurança do jogo de passes da linha era tal, que parecia linha de profissionais, e, um dos jornais da capital, na critica esportiva, lançou atravez de suas colunas este honroso commentario: “A segurança do passe e o esplendido jogo de combinações desenvolvido pela brava rapaziada santista era patente desde o inicio do jogo…”. Com essa boa meia duzia de goals, voltou o team para Santos!”.

Curiosidade

O Rei Pelé jogou contra o time paulistano 48 partidas e marcou 50 gols e é o maior goleador do clássico dos Alvinegros. O período de 1957 a 1968, em partidas válidas pelo campeonato paulista, entre as duas equipes ficou conhecido como “tabu” já que o time da Vila Belmiro disputou 22 partidas vencendo 16 e empatando 06 partidas, não perdendo nenhuma disputa diante do time paulistano. A primeira partida foi no dia 03 de maio de 1957 no Pacaembu no empate em 3 a 3 e a última vitória foi no dia 10 de dezembro de 1967, pelo placar de 2 a 1, no Morumbi.

Guilherme Guarche – Coordenador do Centro de Memória e Estatística