Ídolo Eterno do Santos FC, Dorval comemora aniversário

Ídolo Eterno do Santos FC, Dorval comemora aniversário

No dia 26 de fevereiro de 1935 nascia na cidade de Porto Alegre, aquele que durante a década de ouro do Santos FC fez parte do ataque que é tido por muitos jornalistas como o melhor ataque que um time de futebol teve em sua história o “Ataque dos Sonhos”. Dorval Rodrigues, ou como era conhecido no elenco santista o “Macalé”, o melhor ponta-direita que vestiu a camisa 7 do time praiano.

Dorval iniciou sua carreira no Peixe vindo da equipe do hoje extinto Grêmio Força e Luz do Rio Grande do Sul. Lá jogava na ponta-esquerda do “Onze da Timbaúva” como era conhecido o time gaúcho. Sua estreia no Alvinegro aconteceu no dia 20 de maio de 1956 em partida amistosa jogada no Estádio Mário Alves de Mendonça em São José do Rio Preto na vitória pelo placar de 3 a 1 diante do América local com Pagão, Alfredinho e Tite marcando os tentos santistas. O Peixe formou com Manga (Osvaldo), Hélvio (Sarno) e Ivan; Ramiro, Formiga (Feijó) e Zito; Alfredinho (Dorval), Jair Rosa Pinto (Pepe), Pagão (Del Vecchio), Vasconcelos e Tite. O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula.

Dorval jogou pelo Alvinegro 612 partidas e marcou 194 gols é o 6º artilheiro na tábua geral dos artilheiros do time da Vila Belmiro. A última vez em que vestiu a camisa do Santos foi no dia 23 de abril de 1967 na vitória pelo placar de 3 a 0 diante do Bangu no Pacaembu no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, quando substituiu o ponta-direita Copeu com Edu marcando dois gols e Pelé um. Na Seleção Brasileira jogou 13 partidas e marcou um gol.

Curiosidade

Dorval era um jogador muito temperamental, o que o fez tomar algumas atitudes reprováveis pela diretoria santista. Prova é que ele foi emprestado ao Racing-ARG, após ter se desentendido com o Rei Pelé, no vestiário santista, após um jogo no Estádio do Pacaembu. Na Argentina, ele jogou uma partida amistosa contra o Alvinegro no dia 07 de maio de 1964, em Avellaneda, quando então o time argentino perdeu pelo placar de 2 a 1. O seu empréstimo durou até o final de 1964, e em janeiro de 1965 ele voltou a ocupar a ponta direita do Santos FC.

Guilherme Guarche – Coordenador do Centro de Memória e Estatística