Dia Urbano Caldeira foi celebrado nesta segunda-feira (9)

Dia Urbano Caldeira foi celebrado nesta segunda-feira (9)

(fotos: Ivan Storti / Santos FC)

Nesta segunda-feira (9), o Santos Futebol Clube celebrou uma das datas mais importantes do seu calendário, o Dia Urbano Caldeira. Ele é considerado pela nação santista como o seu maior abnegado. Na solenidade realizada em frente ao seu busto, que fica nas cadeiras cativas do estádio que leva o seu nome, várias funcionários, Conselheiros e membros do Comitê de Gestão estiveram presentes. Também participaram da homenagem alguns parentes de Urbano.

“É fundamental nesse quadro de tantas histórias e tantas emoções homenagearmos sempre nossos patronos e todos que alavancaram o clube. A paixão do Urbano Caldeira naquele momento ainda pequeno, de cortar mato, cuidar da grama, desenvolver todo aquele ideal, aquele sonho de um time de jovens, e olha o que resultou: no Santos Futebol Clube”, disse o Presidente do Conselho Deliberativo Fernando Gallotti Bonavides.

Um dos parentes de Urbano Caldeira, Pedro Luiz Dutra, falou sobre a emoção da data e fez um pedido especial. “Essa data é muito importante para mim e toda nossa família. Ela representa tudo de grandioso que o Urbano fez.Ele nunca imaginaria que um dia o Santos se tornaria um time mundial, tão grande, tão conhecido no mundo inteiro. Eu só peço que, mesmo que façam um estádio novo ou uma arena, mantenham o estádio Urbano Caldeira eternizado. A história foi feita aqui. Pelé jogou aqui. Não preciso falar mais nada. O sangue alvinegro de Urbano Caldeira corre em mim.”

Dia Urbano Caldeira é celebrado no estádio que leva seu nome

Confira as fotos da solenidade

Sobre Urbano Caldeira

No dia 06 de setembro de 1890, nascia na aprazível e hospitaleira Florianópolis, no estado de Santa Catarina, Urbano Vilella Caldeira Filho, o lendário Urbano Caldeira, que desde 1933 empresta mui justamente o seu nome ao estádio do Alvinegro mais famoso do mundo.

Urbano deu sua vida ao clube ao qual se filiou em 1913, quando o time dava os seus primeiros passos e a sede ficava no Largo do Rosário no centro antigo de Santos, onde hoje está localizada a Praça Rui Barbosa. Ele foi o maior abnegado que a agremiação santista teve em toda a sua maravilhosa e vitoriosa centenária história.

Durante sua passagem pelo Alvinegro Praiano que ele tanto amou, foi jogador, técnico, 1º secretário, diretor-geral de esportes e vice-presidente. Ajudou a conservar o gramado e participou das várias reformas que a praça de esportes sofreu no correr das décadas.Urbano como zagueiro marcou 02 gols e jogou 41 partidas no período de 1913 a 1918. Urbano Caldeira faleceu no dia 13 de março de 1933 na vizinha São Vicente.

Urbano era um boêmio à moda antiga. Em determinada madrugada ao passar pelo Largo do Rosário, flagrou em uma padaria, alguns jogadores do time santista jogando dominó. De imediato levou o fato ao conhecimento do presidente Agnello Cícero de Oliveira, que puniu os atletas de forma branda os atletas porque não havia indícios de bebidas alcoólicas na mesa do jogo. Por diversas vezes, antes do Sol despontar no horizonte, era possível vê-lo trabalhando no gramado da Vila Belmiro, carpindo a relva molhada pelo sereno noturno, junto aos carneiros que substituíam as máquinas de cortar grama.

No dia 09 de janeiro de 1938, a diretoria do Santos FC inaugurava o busto daquele que é considerado por todos os santistas como o seu maior abnegado. O presidente santista na época era José Martins que determinou que esse dia fosse considerado como sendo o dia de Urbano Caldeira. E nessa distante e histórica data na vida do Alvinegro mais famoso do mundo, Araken Patusca que foi um dos melhores comandados por Urbano quando este era o treinador da equipe praiana colocou sua medalha de ouro, de campeão paulista de 1935 na herma de Urbano Caldeira