Crianças refugiadas irão entrar em campo com os jogadores do Peixe nesta quarta-feira (02)

Crianças refugiadas irão entrar em campo com os jogadores do Peixe nesta quarta-feira (02)

Um dia que promete ser muito especial, para nunca sair da memória. Mais de 20 crianças, com idades entre 6 e 11 anos, refugiadas irão entrar em campo com os jogadores do Santos FC, nesta quarta-feira (02), às 21h45, no Pacaembu, quando o Peixe enfrenta o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro. Elas chegaram acompanhadas de seus pais, tendo sido forçadas a deixar seus países de origem por fundados temores de perseguição relacionados à raça, nacionalidade, religião, grupo social ou opinião política.

Além de dar alegria para essas crianças da Angola, República Democrática do Congo e Síria, outro objetivo é promover a 4ª edição da Copa dos Refugiados, que acontecerá nos dias 13, 20 e 27 de agosto. Trata-se de um campeonato de futebol que envolverá 16 diferentes seleções integradas por pessoas em situação de refúgio que residem no Brasil. O evento é uma parceria do ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, com a África do Coração.

Há em todo mundo mais de 65 milhões de pessoas que foram obrigadas a abandonar suas casas por violações de seus direitos, em busca de proteção e segurança para recomeçarem suas vidas de forma digna e sustentável. Deste total de pessoas, 22,5 milhões são refugiadas, sendo mais da metade delas crianças.

No Brasil, de acordo com os dados do CONARE, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em 2016 houve aumento de 12% no número total de refugiados reconhecidos no país. Até o final de 2016, o Brasil reconheceu um total de 9.552 refugiados de 82 nacionalidades. Os países com maior número de refugiados reconhecidos no Brasil em 2016 foram Síria (326), República Democrática do Congo (189), Paquistão (98), Palestina (57) e Angola (26).

Apesar da diminuição no número de solicitações de refúgio no ano passado, houve um aumento expressivo de solicitações de venezuelanos (307%) em relação a 2015. De acordo com o relatório, apenas no ano passado, 3.375 venezuelanos solicitaram refúgio no Brasil, cerca de 33% das solicitações registradas no país naquele ano. Em 2015 foram contabilizados 829 pedidos de refúgio de nacionais venezuelanos. Informações mais detalhadas sobre o perfil dos refugiados no Brasil estão disponíveis em www.acnur.org/portugues/recursos/estatisticas/dados-sobre-refugio-no-brasil

Sobre o ACNUR

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), conhecido como a Agência da ONU para Refugiados, tem o mandato de dirigir e coordenar a ação internacional para proteger e ajudar as pessoas deslocadas em todo o mundo e encontrar soluções duradouras para elas. Iniciou seus trabalhos em 1950 e já recebeu dois Prêmios Nobel da Paz por seu trabalho humanitário. Atualmente, o ACNUR conta com uma equipe de 11.000 funcionários presentes em cerca de 130 países, com mais de 450 escritórios espalhados pelo mundo.